607 AEC ou 587 AEC?

Prefácio

Este tratado foi elaborado, em parte para atender ao pedido de diversos leitores que nos contataram (depois de terem lido os artigos dos números de A Sentinela de outubro e novembro de 2011), e em parte para o benefício das Testemunhas de Jeová convertidas mais recentemente, que talvez não tenham conhecimento dessa discussão que já vem ocorrendo há muitos anos. 

As matérias que apareceram nas revistas mencionadas não apresentaram uma única ideia nova. Estas revistas apenas repetiram o que já havia sido apresentado oficialmente em publicações anteriores da Torre de Vigia ou extra-oficialmente por apologistas desta organização. E todos os argumentos destas fontes já haviam sido completamente refutados em anos anteriores. 

Embora este folheto repita alguns contra-argumentos apresentados há muito tempo, o que ele faz é, sobretudo, resumir os questionamentos. Para os leitores interessados numa discussão mais aprofundada, ao longo da análise estaremos indicando matérias pertinentes a cada ponto discutido, que se encontram atualmente disponíveis no site Mentes Bereanas

O espaço nos faltaria se mencionássemos aqui os nomes de todos os que contribuíram para este tratado. Sem os dados levantados por estes pesquisadores – bem como o longo tempo que eles dedicaram à pesquisa, organização e aprimoramento das informações – dificilmente poderíamos tê-lo escrito num intervalo tão curto.

Ao mesmo tempo em que reconhecemos essa dívida para com todas essas pessoas esclarecidas, de vários países do mundo, reservamos o nosso agradecimento principal à Pessoa que realmente o merece: o Deus da verdade. Foi muito gratificante constatar que, em todas as questões mais cruciais, a Palavra dele forneceu os dados que nos permitiram chegar às conclusões corretas. Não temos dúvida de que todo o mérito cabe a Ele, o inspirador dos homens fiéis da antiguidade que assentaram por escrito as informações essenciais para o entendimento deste assunto.

Os Editores.

Introdução

“POR QUE ISSO É IMPORTANTE” – A Justificativa Apresentada Para a Escrita dos Artigos

A Sentinela de 1º de outubro de 2011, pág. 26:

Todos os cristãos concordam que a Bíblia é um livro confiável do ponto de vista histórico. Todavia, se eles tivessem de saber o “ano exato” dos principais fatos relatados na Bíblia como condição essencial para terem confiança na autenticidade dela, estariam realmente numa situação muito precária. Há eventos muito mais importantes na história do povo de Deus do que a destruição de Jerusalém por Nabucodonosor II, para os quais a Bíblia simplesmente não fornece qualquer dado que permita situá-los com precisão em termos de nosso calendário moderno. E se isto é assim nos dias de hoje, a situação era pior no caso dos leitores da Bíblia que viveram em séculos anteriores. Não havia maneira de eles situarem com precisão eventos bíblicos na história, já que os conhecimentos sobre arqueologia e astronomia antiga eram bem inferiores aos nossos. No entanto, apesar de os homens tementes a Deus no passado não terem como elaborar uma cronologia correta dos eventos bíblicos na história universal, isso jamais perturbou a confiança deles na Bíblia como Palavra de Deus.

Ademais, o parágrafo acima transmite a impressão de que ninguém sabe a data da destruição de Jerusalém, de maneira que a revista A Sentinela precisa explicar o assunto. Na realidade, os historiadores não só sabem que este evento ocorreu em 587/586 AC, como consideram esta data exata. E os cristãos em geral (eruditos ou não) a aceitam sem qualquer problema. A única liderança religiosa importante no mundo que faz constante esforço para contradizê-la é a Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados (sediada nos EUA). Por que os líderes desta organização religiosa têm tanto interesse em desacreditar essa data? Porque há muito tempo eles defendem outra data para o evento, 607 AEC. E eles têm uma poderosa razão para agirem desta maneira. 12Para uma consideração da importância da data 607 AEC para a Torre de Vigia, veja a Parte 5 deste folheto.

O verdadeiro propósito dos artigos, então, dificilmente poderia ser ‘fortalecer a confiança na autenticidade da Palavra de Deus’. Para a fé cristã, realmente não faz qualquer diferença saber em que data ocorreu a destruição de Jerusalém por Nabucodonosor, seja 587 AEC ou 607 AEC. Mas esse detalhe faz uma diferença crucial para a liderança da Torre de Vigia. É por isso que, do princípio ao fim, os artigos foram escritos com o objetivo exclusivo de por em dúvida a data histórica – 587 AC – defender a data 607 AEC

Trecho do segundo parágrafo (página 26):

Um trecho bem curto, mas com dois problemas que são freqüentes nas publicações da organização:

1 – “cronologia amplamente aceita” x “evidências na própria Bíblia

Qualquer estudante da história antiga (incluindo os que escreveram estes números de A Sentinela) sabe que, em termos da cronologia neobabilônica, essa divergência não existe. A informação contida na Bíblia e as evidências dos historiadores estão de pleno acordo quanto à data 587 AC e ambos contradizem a data 607 AEC. 13Esse tipo de afirmação enganosa é muito comum nas publicações da Torre de Vigia quando o assunto tratado é a cronologia neobabilônica. Neste mesmo número de A Sentinela aparece a seguinte frase na página 29: “A linha do tempo baseada em suas informações cronológicas [isto é, a dos historiadores] não bate com a da Bíblia.” Infelizmente, frases assim induzem muitos leitores a pensar que existe mesmo um conflito entre a Bíblia e os historiadores.

2 – “as Testemunhas de Jeová defendem uma data…”.

Uma velha generalização. A maioria das Testemunhas de Jeová do mundo não defende este ensino por convicção pessoal, advinda de terem examinado cuidadosamente as evidências. Quem defende a data 607 AEC é a liderança das Testemunhas de Jeová. Essa mencionada maioria das Testemunhas se baseia unicamente nas publicações da Torre de Vigia (que refletem os conteúdos ideológicos da organização) e jamais consulta outras publicações. Dizemos “maioria”, porque algumas Testemunhas de Jeová às vezes se permitem verificar essa cronologia de maneira independente. E quando elas fazem isso, invariavelmente descobrem as falhas do ensino, chegando, por fim, a entender o motivo de sua liderança defender tanto a data 607 AEC. 

Daí, essas Testemunhas se confrontam com duas alternativas: continuar ensinando que Jerusalém foi destruída em 607 AEC (junto com todos os ensinos derivados disso), mesmo sabendo que a data está errada, ou respeitar a voz de sua consciência e parar de ensinar isso. Independentemente de qual seja a decisão, cada uma dessas Testemunhas se dá conta também de que não poderá jamais divulgar abertamente suas descobertas a ninguém dentro da organização. Porque, se persistir em fazer isso, certamente enfrentará conseqüências.

Um Exame das “Evidências na Própria Bíblia”

O parágrafo seguinte diz:

O versículo que vem logo em seguida nessa “pista fundamental” (Jeremias 25:12), não foi citado. Esse versículo diz:

“E terá de acontecer que, quando tiverem cumprido setenta anos, ajustarei contas com o rei de Babilônia e com aquela nação’, é a pronunciação de Jeová, ‘pelo seu erro, sim, com a terra dos caldeus, e vou fazer dela baldios desolados por tempo indefinido.” (Tradução do Novo Mundo. O grifo é nosso.)

Uma vez que historicamente esse ‘ajuste de contas com o rei de Babilônia e sua nação’ veio em 539 AEC o período de setenta anos já estava cumprido em 539 AEC. Como esse texto sozinho é suficiente para demolir a afirmação de que os setenta anos só terminaram dois anos depois, em 537 AEC, é por isso que ele é deixado fora da Sentinela. Em vez disso o parágrafo dá um salto até Jeremias 29:10 – e não cita mais a Versão Brasileira, e sim a Tradução do Novo Mundo. Por quê? Porque esta versão, usada pelas Testemunhas de Jeová, é das poucas que usam a expressão “em Babilônia”. O primeiro parágrafo da página 27 explica isso:

14Embora alguns imaginem que esta foi a primeira referência da Torre de Vigia aos 70 anos como o período da dominação babilônica sobre as nações, este não é o caso. O livro Profecia de Isaías — Uma Luz Para Toda a Humanidade, Vol. 1, (publicado em 2000), pág. 253, foi o primeiro a apresentar os setenta anos desta maneira.

O parágrafo reconhece que a Versão Brasileira (a que estava sendo citada como apoio até aqui) é uma das muitas que dizem “para Babilônia”. Mas este é só um dos problemas. O parágrafo omite certas informações que mudariam o assunto de figura. Que informações? Estas grafadas com letra vermelha:

‘Em vez de dizer 70 anos “em Babilônia”, a maioria das traduções dizem “para Babilônia”. (VB). Entre estas se inclui a nossa Tradução do Novo Mundo, nas edições em alguns idiomas europeus. Por isso, todos os historiadores competentes afirmam que esse período de 70 anos se aplica ao Império Babilônico. Segundo a cronologia secular neobabilônica, que está em harmonia com toda a informação apresentada na Bíblia, os babilônios dominaram o território das antigas Judá e Jerusalém e de todas as outras nações da região por uns 70 anos, de cerca de 609 AEC a 539 AEC, quando a capital de Babilônia foi capturada. Em palavras mais simples, tanto a Bíblia como os historiadores estão de acordo com o fato de que os setenta anos de domínio babilônico sobre as nações (mencionados em Jeremias 25:11, 12) terminaram em 539 AEC.

O fato de a Sentinela ter omitido – e deliberadamente – o texto de Jeremias 25:12, omitindo também que a maioria das versões bíblicas apresenta esses 70 anos como o período concedido por Deus para Babilônia dominar a região (e não como o período de cativeiro judaico em Babilônia) 15Para os leitores interessados numa consideração abrangente desta questão da tradução de Jeremias 29:10, recomendamos o texto Os Setenta Anos Para Babilônia, disponível na seção sobre Astronomia/Arqueologia do Mentes Bereanas. Veja especificamente a Seção B-1: “Setenta anos – “em” Babilônia ou “para” Babilônia?” , permite que o artigo continue insistindo na mesma tese. O segundo parágrafo da página 27 prossegue:

Vários versículos de três livros bíblicos foram citados, é verdade, mas será que eles ‘mostram’ mesmo tudo isso que o parágrafo diz? Se os leitores tomassem tempo para conferi-los calmamente, notariam que nenhum deles diz ou sugere que o período de “punição severa” durou70 anos. O livro do Êxodo não diz uma palavra sobre “setenta anos” e o profeta Jeremias nunca disse que a “punição do meu povo” seria “70 anos de exílio”. Essa expressão “70 anos de exílio” não aparece nos escritos dele, nem nos de qualquer outro profeta judaico. Declarado de maneira simples, a Bíblia não mostra isso que o parágrafo diz.

O mesmo vale para a série de afirmações incluídas nos demais parágrafos sob o tópico “Quando começaram os ‘setenta anos’?”, na página 27. Ainda devido à omissão das palavras de Jeremias 25:12, os leitores são induzidos a aceitar várias informações erradas sobre os 70 anos. Entre estas, estão as quatro que seguem:

De novo, não há maneira de confirmar biblicamente essas informações. O texto de 2 Crônicas 36:20, 21 (citado na página 27 da Sentinela) não diz isso. Eis a citação da Nova Versão Internacional, conforme aparece no parágrafo da revista: 

É muito fácil um leitor desatento tirar uma conclusão equivocada desse texto. Está ele dizendo que a terra descansou durante 70 anos? Não. Ele diz que a terra “descansou durante todo o tempo de sua desolação, até que os setenta anos se completaram”. A “palavra do SENHOR anunciada por Jeremias” não tinha sido sobre “70 anos de desolação” e sim sobre 70 anos de domínio babilônico. É claro que quando o domínio babilônico terminou, a desolação também terminou, mas isso não é o mesmo que dizer que a desolação também durou 70 anos. Pois nenhum texto bíblico sugere que o descanso e a desolação da terra começaram no mesmo momento em que o domínio babilônico sobre as nações começou. Em palavras mais simples, a Bíblia informa precisamente qual foi a duração do período de domínio babilônico, mas não informa a duração do ‘descanso sabático’ e da ‘desolação’ da terra de Judá. A História estabelece (e a Bíblia está de acordo) que a desolação judaica começou muito depois que o período de domínio babilônico sobre as nações tinha começado. 16Historicamente, a terra de Judá permaneceu desolada por aproximadamente 50 anos (587 AEC – 538 AEC). A informação apresentada na Bíblia não contradiz isso. Ao tratar especificamente disso, a Sentinela diz: 

Apesar da palavra “certamente”, esta é uma frase sem qualquer propósito, a não ser confundir os leitores. Nem a Bíblia, nem a História fazem uma ligação do início dos setenta anos de domínio babilônico com algum sítio da cidade de Jerusalém por eles. 

Enfatizamos: Tudo o que a Bíblia diz (e a História confirma) é que Babilônia dominou sobre as nações da região durante 70 anos. Jerusalém era apenas uma de muitas cidades naquela ampla área, e o momento em que ela foi sitiada “pela primeira vez” não tem importância alguma na questão de sabermos quando foi que o período de 70 anos se iniciou. Só teria importância se Jerusalém fosse a cidade dominante na região antes de Babilônia assumir o controle. Mas este não foi o caso, porque a História registra (e a Bíblia confirma) que a potência dominante anterior era a Assíria, com sua capital, Nínive, não Judá e sua capital, Jerusalém. E a data histórica para o fim completo do Império Assírio é 609 AEC, sendo este o ano inicial da supremacia babilônica, que terminou exatamente 70 anos depois (539 AEC). 

Como visto acima, a matéria da Sentinela chega a mencionar esse intervalo histórico de 70 anos (embora aplicando o domínio babilônico só a “Judá e Jerusalém”), mas o chama de “cronologia secular” (induzindo os leitores a pensarem que não tem credibilidade), recusando-se terminantemente a reconhecer que este período – 609 AEC a 539 AEC – é que está de acordo com a profecia de Jeremias, ao passo que o período defendido na revista – 607 AEC a 537 AEC – contradiz Jeremias. Esta é a única razão por que o parágrafo tenta forçar de qualquer maneira uma conexão entre o sítio de Jerusalém e o início dos 70 anos. A Bíblia jamais autoriza essa conexão, por mais que os apologistas da cronologia da Torre de Vigia insistam nisso. 

No final do último parágrafo do tópico (início da página 28) aparece esta frase: 

Com “esse acontecimento”, a Sentinela se refere à destruição de Jerusalém, seguida pelo despovoamento da terra de Judá. A expressão “tudo indica” não passa de outro qualificativo do escritor. A própria Bíblia não indica qual foi o acontecimento histórico específico que “marcou o começo dos setenta anos”. Esta informação jamais aparece na Bíblia. Ela só indica qual foi o momento em que esse período terminou. Só podemos saber em que momento o período começou com a ajuda da evidência histórica, que situa o fim do Império Assírio (que equivale ao início da supremacia babilônica) em 609 AEC. O que o artigo da Sentinela faz o tempo todo é esconder e deturpar informações, para desviar a atenção dos leitores do fato de que a Bíblia dá base para situarmos o fim desse período de setenta anos em 539 AEC. Sendo assim, ele não poderia ter começado no momento da destruição de Jerusalém, seja 607 AEC ou 587 AEC, pois nenhuma dessas duas datas está 70 anos antes de 539 AEC. 

Em seguida vem este trecho: 

Este é outro caso onde se apresenta uma tradução errada dessa parte da profecia de Daniel (assim como se faz no caso da tradução inexata “em Babilônia” para Jeremias 29:10). A maioria das versões bíblicas modernas (incluindo a própria Tradução do Novo Mundo!) não usa o verbo “durar” neste texto. E Daniel não estava dizendo que os setenta anos iriam terminar no futuro. Daniel tinha em mãos as palavras de Jeremias 25:12, e quando as leu, ele entendeu que, como o rei de Babilônia e sua nação tinham sido punidos, os 70 anos já tinham terminado. Os eruditos da Torre de Vigia sabem que o verbo “durar” não aparece no hebraico original deste texto, e ele foi inserido arbitrariamente pelos tradutores da NVI, mas a Sentinela cita justamente essa tradução, só porque ela ajuda a “comprovar” a interpretação defendida na revista. 

O segundo parágrafo deste mesmo tópico (coluna direita da página 28) é mais um exemplo de omissão de evidência bíblica. A Sentinela diz: 

Eis o que diz o texto de 2 Crônicas 36:22, segundo a citada NVI

“No primeiro ano do reinado de Ciro, rei da Pérsia, para que se cumprisse a palavra do Senhor anunciada por Jeremias, o Senhor tocou no coração de Ciro, rei da Pérsia, para que fizesse uma proclamação em todo o território de seu domínio e a pusesse por escrito, nestes termos:” (O grifo é nosso.) 

Sentinela usou a frase genérica “tempo em que o Senhor tocou no coração de Ciro”, mas a Bíblia é específica. Ela diz que esse “tempo” foi o “primeiro ano do reinado de Ciro”. Historicamente, isso foi em 539 AEC (a “Data Fundamental na História” segundo o mencionado quadro na página 28 da Sentinela). Então, se ‘Esdras relacionou o fim dos setenta anos com o tempo em que Deus tocou no coração de Ciro para fazer a proclamação’, segue-se que Esdras relacionou o fim dos setenta anos com 539 AEC (o momento da proclamação), não com 537 AEC. Assim como no caso de Daniel, as palavras de Esdras não contradizem o que Jeremias havia dito. Aqui, a revista ASentinela faz referência ao texto de Esdras, mas desconsidera a informação principal contida nele. O texto de 2 Crônicas 36:22 é mal citado para esconder evidência, dificultando que os leitores cheguem à conclusão óbvia, que é desastrosa para a interpretação defendida na revista. 

Recordemos o que havia dito o segundo parágrafo da página 26: 

Tendo em vista essa frase sublinhada, seria razoável qualquer leitor esperar que A Sentinela, sendo uma publicação religiosa, manter-se-ia dentro dos limites da autoridade da Bíblia para apresentar evidências de apoio aos seus ensinos. Ou que pelo menos a maior parte das evidências apresentadas seria bíblica, não “secular” ou “profana”. 

O que se nota nos dois artigos é o contrário disso. As únicas “evidências na própria Bíblia” apresentadas se limitaram a essas poucas que consideramos até aqui (contidas nas páginas 26-28 da A Sentinela de 1º de outubro de 2011). Cerca de metade do primeiro artigo dessa revista de outubro/2011 e o segundo artigo inteiro (o da revista de novembro/2011) trata de outro tipo de evidências, não mais das bíblicas. Do total de 13 páginas (abrangidas pelos dois artigos) apenas 3 páginas são dedicadas à Bíblia. As outras 10 páginas analisam documentação histórica e declarações de eruditos! 

E, é triste dizê-lo, na abordagem dessas evidências “seculares”, as duas revistas não se saíram melhor do que na consideração das “evidências na própria Bíblia”. Pelo contrário, os problemas na argumentação são ainda maiores. Passaremos agora à análise do restante do primeiro artigo.

O Que os Documentos Realmente Mostram?

A – Os Historiadores Clássicos e Ptolomeu

O primeiro parágrafo da página 29 diz: 

Mesmo para quem tem conhecimento básico de cronologia neobabilônica, chega a ser incrível esta afirmação. Transmite-se a impressão de que as autoridades em história antiga se baseiam unicamente nestas duas fontes para estabelecer 587 AEC como o ano da destruição de Jerusalém! 17Infelizmente este é outro tipo de afirmação muito comum nas publicações da Torre de Vigia, sempre que o assunto é cronologia. Na página 30 deste mesmo número de A Sentinela aparece esta frase: “A lista de reis feita por Ptolomeu é considerada a espinha dorsal da cronologia da história antiga, incluindo o período neobabilônico.” (O itálico é nosso.) Quem não tem conhecimento mínimo de cronologia antiga poderia dizer isso. O que não é o caso dos escritores desses artigos que estamos analisando.

É interessante que no quadro ao pé da página 28, o artigo de A Sentinela menciona documentação histórica e astronômica em apoio da data 539 AEC para o primeiro ano de Ciro. Mas os leitores não são informados de que a data 587 AEC tem muito mais evidência astronômica em favor dela do que a data 539 AEC. Tudo o que os historiadores clássicos e Ptolomeu fazem é simplesmente confirmar aquilo que é estabelecido pela documentação astronômica. 

Mas o problema aqui não é só a omissão de informações. Nesse trecho, o artigo cai numa incoerência flagrante. Como assim? Consideremos o que diz esse mesmo quadro da página 28 (o sublinhado é nosso): 

O artigo da Sentinela admite que a tabuinha cuneiforme astronômica usada para dar apoio à data 539 AEC contém erros e, no entanto, ela é aceita sem qualquer problema. Mas o que é que o escritor da Sentinela faz no caso das informações dos historiadores clássicos e do Cânon de Ptolomeu? Passa o resto do artigo (páginas 29-31) tentando desacreditar a data que eles estabelecem, exatamente pelo mesmo motivo, ou seja, por existirem erros neles! Se a existência de erros nos historiadores clássicos e no Cânon de Ptolomeu constitui razão para rejeitarmos a data 587 AEC, por que, então, a data 539 AEC é aceita, se as fontes históricas que a confirmam contém erros do mesmo tipo? 

Esta incoerência é na verdade parte duma manobra de despistamento muito habilidosa. Enquanto a atenção dos leitores é totalmente concentrada na existência de erros nos historiadores clássicos e em Ptolomeu, a Sentinela não os informa de que estas fontes são totalmente dispensáveis. A evidência na documentação astronômica em apoio da data 587 AEC é tão forte, que não haveria a mínima necessidade de se recorrer a outros escritos para estabelecê-la. Nenhum historiador de hoje precisa realmente dessas fontes para estabelecer a cronologia neobabilônica. É isso que torna tão absurda a declaração de que ‘as autoridades se baseiam nos escritores clássicos e no Cânon de Ptolomeu para defender 587 AEC’. 

Ninguém duvida que qualquer fonte histórica está sujeita a erros e omissões. Seria uma infantilidade afirmar o contrário. Como vimos acima, a revista A Sentinela cita favoravelmente uma dessas fontes, mas é obrigada a admitir que ela também ‘contém erros’. Mas, como foi que o escritor dessa Sentinela soube que existem erros em todas essas fontes históricas, tanto nas aceitas como nas rejeitadas pela Torre de Vigia? A resposta a isso é fácil: Não foram os eruditos da Torre de Vigia que os descobriram. Eles souberam da existência deles porque os próprios historiadores modernos identificaram esses erros e publicaram suas descobertas! 

Ainda assim, nenhum historiador moderno afirma que as datas estabelecidas astronomicamente estão erradas pelo fato de existirem esses problemas nas fontes históricas que as corroboram. Embora um leitor Testemunha de Jeová que tenha pouco entendimento do assunto em discussão possa ficar impressionado com a maciça quantidade de informações nessas Sentinelas, o erro grave seria ele perder de vista a verdadeira questão. A longa discussão presente nas páginas 29 a 31 da Sentinela contém muita informação, mas toda essa informação é inútil para apoiar o argumento da revista. Encontrar erros nas fontes históricas é fácil, e o artigo poderia até gastar muito mais páginas falando disso. Embora os eruditos admitam francamente que há erros nessas fontes históricas, nem por isso encontramos algum deles dizendo que a data 587 AEC está errada, ou mesmo sujeita a dúvida. É por isso que, depois de todo o palavreado, o artigo não tem como evitar esse fato simples, admitido no “breve resumo” do quadro da página 31: 

Os escritores da Torre de Vigia são incapazes de encontrar um único historiador credenciado e imparcial que discorde disso, para poder citá-lo na Sentinela

O tópico concludente do artigo da revista de outubro começa dizendo: 

Outro despistamento. Por que “a maioria dos eruditos concorda que em 537 AEC os judeus exilados já haviam voltado para sua terra natal”? A resposta é simples: Eles nunca discordaramdisso. Esta não é – nunca foi – a questão! Todos sabem que no ano de 537 AEC os judeus regressantes já se encontravam realmente na Palestina. 

O que a revista precisaria ter provado, e não provou é:  

  • que o exílio judaico em Babilônia durou 70 anos;
  • que a data 537 AEC é o ano final do período de 70 anos de domínio babilônico mencionado em Jeremias 25:12;
  • que a destruição de Jerusalém ocorreu em 607 AEC

A Bíblia não diz “claramente” nenhuma dessas três coisas. As “fortes evidências” em apoio dessas idéias não existem. E o escritor da revista não pôde citar um único erudito que concorde com elas. 

Por fim, o artigo pergunta: 

Este trecho admite que: 

(1) Apesar de toda essa “base na Bíblia” para o cálculo da data 607 AEC, há necessidade da evidência histórica para prová-la. 

(2) Por mais que haja erros nas fontes históricas consideradas (apontados pelos eruditos), esses erros não servem para apoiar 607 AEC. 

Declarado de modo simples, o parágrafo admitiu que o primeiro artigo não provou nada, daí a necessidade do próximo artigo. Consideraremos essa matéria a partir de agora. 

B – “Neutralizando” as crônicas babilônicas e as tabuinhas econômicas (ou comerciais)

Dando continuidade à depreciação das fontes históricas que teve início no primeiro artigo, as primeiras duas páginas e meia do artigo de A Sentinela de 1º de novembro prosseguem recorrendo ao expediente de fazer as citações de declarações de eruditos, desta vez sobre as crônicas babilônicas e as tabuinhas econômicas (ou comerciais).  

Não comentaremos neste momento o que a Sentinela diz sobre essas declarações (isto é feito na próxima parte). Frisamos o fato de que, por mais que os historiadores apontem problemas (que existem realmente) nessas fontes históricas, o exame das citações mostra que nenhum deles menciona a data 587 AEC, ou afirma que essa data está errada e que a data 607 AEC é que é a correta para a destruição de Jerusalém. A ausência de apoio para a data 607 AEC por parte da comunidade erudita é tão completa, que não há como o escritor de A Sentinela fugir dos dois fatos que seguem. Na página 22 aparece de novo a mesma admissão que havia aparecido no número de outubro: 

E, provavelmente para evitar problemas com os eruditos que estão vivos, o escritor da Sentinela toma o cuidado de acrescentar a seguinte informação na página 23 (num asterisco):

A questão que qualquer Testemunha de Jeová ou leitor desta matéria poderia levantar é: ‘Ora, se “os historiadores seculares dizem que Jerusalém foi destruída em 587 AEC” e se “nenhum dos eruditos citados defende que Jerusalém foi destruída em 607 AEC”, então por que a revista A Sentinela faz tantas citações desses eruditos?’ 

A resposta é: Os historiadores e eruditos são usados pelo escritor para transmitir aos leitores uma impressão falsa.  Não é que as citações sejam fraudulentas. Todas as declarações citadas foram realmente feitas por essas pessoas. O que é errada é a maneira como as palavras deles são usadas. Os problemas são os seguintes: 

1) No caso dos eruditos vivos, nenhuma dessas declarações foi colhida numa entrevista pessoalcom eles. O que o escritor da revista A Sentinela fez foi selecionar arbitrariamente certas frases dispersas em matérias escritas por eles (em livros ou outras publicações). 

2) Estas frases selecionadas foram tiradas do contexto. Em nenhum caso o erudito estava falando sobre 587 AEC, ou dizendo que esta data é errada ou duvidosa. Nenhum erudito (vivo ou falecido) citado pela revista A Sentinela sugere que as fontes históricas são indignas de crédito pelo fato de existirem certos erros nelas. Eles apontam os erros, sim, mas não afirmam que as datas indicadas nessas fontes (tais como 587 AEC) estão erradas e devem ser rejeitadas. 

3) E este é o problema mais grave de todos: O escritor de A Sentinela coloca essas declarações dos eruditos lado a lado com conclusões de sua própria autoria, para induzir o público a pensar que os eruditos estão de acordo com essas conclusões. 

Típico disso é o exemplo que segue. Depois das duas páginas e meia tentando anular a credibilidade das crônicas babilônicas e das tabuinhas econômicas (usando declarações dos historiadores para isso), o artigo da Sentinela apresenta a seguinte conclusão na página 24: 

Parágrafo

Asterisco

É claro que o escritor da revista não pôde citar um único erudito que concorde com uma só palavra do que está escrito no parágrafo. Embora vários historiadores tenham sido citados, nenhum deles afirmou 

que “as lacunas na história registrada pelas crônicas babilônicas indicam que talvez não tenhamos um registro cronológico contínuo”, 

que outros “poderiam ter governado entre o reinado desses reis”, 

que “seria necessário acrescentar anos ao período neobabilônico”, 

que “nem as crônicas babilônicas nem as tabuinhas econômicas fornecem uma base para se determinar com certeza que Jerusalém foi destruída em 587 AEC”. 

Todas estas frases são conclusões do escritor da Sentinela. Qualquer erudito apontaria imediatamente que o asterisco referido no parágrafo é suficiente para contradizer tudo o que está escrito nele. 

Enquanto o parágrafo diz taxativamente que as tabuinhas econômicas ‘não fornecem uma base para determinar com certeza que Jerusalém foi destruída em 587 AEC’, o asterisco vai na contramão, admitindo que a evidência histórica está presente nas tabuinhas, e aponta justamente para 587 AEC como o ano da destruição de Jerusalém! Só que, segundo o escritor, “esse método de datação só é válido se cada rei sucedeu ao próximo imediatamente, sem que outros tenham governado entre eles.” Declarado de modo simples, o escritor acha que uma possibilidade (“se”), é motivo válido para rejeitarmos a conclusão indicada pela evidência! O detalhe é que ninguém jamais conseguiu encontrar qualquer sinal desses reis desconhecidos. A revista não pôde apresentar nenhum, e nem citar pelo menos um erudito que tenha mencionado a hipótese de esses reis terem existido. Pelo contrário, alguns eruditos já descartaram essa possibilidade (e os escritores da Torre de Vigia sabem disso). 18Veja uma consideração detalhada sobre isso no artigo “Existiram Reis Neobabilônicos Desconhecidos?”, disponível no Mentes Bereanas.

Sem qualquer exagero na comparação, as Testemunhas de Jeová e outros pesquisadores que se lembram do conteúdo do “Apêndice ao Capítulo 14”, do livro Venha o Teu Reino (de 1981), não poderão deixar de ver um paralelo entre o que disse o parágrafo acima e um dos argumentos que foi apresentado naquele Apêndice. O livro dizia na página 187:

 

A única evidência contra o ano 587 AEC e a favor de 607 AEC que o autor desse Apêndice soube apresentar na época foi “matéria ainda a ser descoberta”. Ele sabia que toda a evidência documental e astronômica já descoberta pelos historiadores aponta para a conclusão de que Jerusalém foi destruída em 587 AEC, mas nós deveríamos rejeitar essa data assim mesmo, e acreditar que foi em 607 AEC, por causa de alguma evidência ‘ainda não descoberta’ pelos historiadores. 

Trinta anos depois, vemos a revista A Sentinela adotando um procedimento semelhante. Em essência, o escritor do artigo está nos dizendo que a conclusão dele, baseada nas possibilidades não confirmadas (“talvez” / “poderia” / “seria” / “se”) é mais digna de crédito do que a conclusão dos historiadores, baseada nas evidências existentes nos documentos! Incluir esse estranho raciocínio entre as respostas a questões eruditas “com base na Bíblia e em pesquisa meticulosa” não passa duma afronta à Bíblia e à inteligência dos leitores (eruditos ou não). O desejo de acreditar naquilo que “poderia ser” nunca deveria levar alguém a se recusar a aceitar o que “é” ou “foi”, e ainda induzir outros a fazer o mesmo. Esses “argumentos” expressos na Sentinela e no livro Venha o Teu Reino nada mais são que manobras desesperadas para se esquivar da evidência e, desta maneira, resistir à verdade. Os autores destas publicações têm plena consciência de que a História é o registro do que aconteceu, e não do que poderia ter acontecido

C – A “releitura” da tabuinha VAT 4956

Da segunda coluna da página 24 em diante, a Sentinela de novembro/2011 dá início à consideração sobre as tabuinhas astronômicas. Inicialmente o artigo segue o mesmo estilo usado na consideração das evidências anteriores: usa declarações selecionadas de eruditos com o fim de lançar dúvidas sobre a credibilidade das informações presentes nas tabuinhas. 

Antes de começarmos a análise do que A Sentinela disse sobre a VAT 4956, recordemos o que dizia o livro Venha o Teu Reino a respeito dela. Nas páginas 186 e 187, aparecia a seguinte declaração: 

O escritor desse livro rejeitava completamente essa evidência comprobatória do ano 568 AEC como sendo o 37º ano de Nabucodonosor, alegando que a tabuinha nada mais é que uma cópia forjada, que não representa a realidade histórica, e sim nada mais do que a opinião de quem a copiou. Isso era tudo o que as publicações da Torre de Vigia diziam, e os líderes da organização se recusavam terminantemente a discutir esse assunto. 

Mas, na revista A Sentinela de 1º de novembro de 2011 houve uma mudança nesse discurso oficial. Como a VAT 4956 tornou-se cada vez mais conhecida por um crescente número de Testemunhas de Jeová ao longo dos anos, e por outras razões, a organização finalmente abandonou sua insustentável teoria sobre “cópia forjada” e pela primeira vez uma publicação da Torre de Vigia aceitou a tabuinha como válida para estabelecer a cronologia neobabilônica, aceitando também que os eventos astronômicos descritos lá ocorreram no 37º ano de Nabucodonosor II. Mas, será que eles aceitaram também que esse 37º ano de Nabucodonosor II foi o ano de 568 AEC

De maneira alguma. O parágrafo inicial da página 25 de A Sentinela diz: 

Desse ponto em diante, até o fim do artigo, A Sentinela se põe a questionar a data estabelecida pelos eruditos. Três argumentos são apresentados. Analisaremos os três, na ordem em que são apresentados na revista: 

C-1: O Eclipse Lunar

A “linha do tempo” referida aí é este esquema que aparece na parte inferior da página 25:

A primeira coisa a dizer é que normalmente a VAT 4956, assim como muitas outras tabuinhas astronômicas, não se limita apenas a relatar a ocorrência de eclipses. Geralmente os astrólogos que registravam essas tabuinhas incluíam também descrições de eventos astronômicos e/ou terrestres, associados ao eclipse. O que o escritor da Sentinela não esclarece no parágrafo é se esse eclipse de 588 AEC (que ele prefere) está mais de acordo com a descrição na tabuinha do que o eclipse de 568 AEC (o indicado pelos eruditos). Ele se limita a dizer que ocorreu um eclipse em cada um desses anos. Como dificilmente as Testemunhas de Jeová farão essa comparação entre os eclipses, não vamos entrar aqui nesse mérito. Assumiremos, por enquanto, que ambos os eclipsespoderiam ser os mencionados na VAT 4956 (embora saibamos que este não é o caso). 

Outra coisa que o parágrafo não esclarece aos leitores é que eclipses não são fenômenos que só ocorrem de 20 em 20 anos. Eles ocorrem com muito mais freqüência (às vezes ocorrem vários eclipses lunares num mesmo ano), como qualquer pessoa pode ver consultando uma tabela de eclipses lunares ao longo da história (e existem várias delas, disponíveis inclusive na internet). Assim como o escritor de A Sentinela mencionou o eclipse de 588 AEC, ele poderia ter mencionado uma longa série de eclipses ocorridos em todos os anos do reinado de Nabucodonosor. O fato de ele rejeitar o eclipse de 568 AEC e apontar justamente o eclipse de 588 AEC como sendo aquele ao qual a VAT 4956 se refere é bem compreensível: ele precisa defender a ideia de que este ano de 588 AEC é que foi o 37º ano de Nabucodonosor, para fazer o décimo oitavo ano de Nabucodonosor cair em 607 AEC (“o ano que a cronologia bíblica indica para a destruição de Jerusalém”, segundo ele). É bem evidente a intenção de “adaptar” a tabuinha VAT 4956 à ideia defendida na revista. 

Em vez de ficar discutindo intenções, trataremos dum detalhe muito mais importante, ao qual o escritor não fez a mínima referência, nem no parágrafo e nem nesse esquema que ele montou, reproduzido acima. Esta questão relaciona-se à natureza duma cronologia histórica. Os aspectos básicos deste assunto são simples, mas às vezes vemos até algumas Testemunhas de Jeová que têm boa formação cultural com certa dificuldade de entender isso. 

Em seus relatos sobre fatos históricos, a Bíblia não apresenta a informação sempre da mesma maneira. Por exemplo, no livro de Daniel, capítulo 5, versículos 30 e 31, encontramos as seguintes palavras: 

“Naquela mesma noite Belsazar, o rei dos caldeus, foi morto. E Dario, o medo, recebeu o reino, tendo cerca de sessenta e dois anos de idade.” (Almeida Revisada, Imprensa Bíblica)

A única informação que o profeta Daniel nos dá aqui é a idade que Dario tinha quando assumiu o reino em Babilônia, no lugar do rei que foi morto. Para sabermos em que ano ele tinha 62 anos, teríamos de procurar alguma evidência histórica que nos informe em que ano ele nasceu. Pode ter sido em qualquer ano. Por quê? Porque a data de nascimento e a idade duma pessoa são informações que estão relacionadas unicamente a essa pessoa. Do ponto de vista cronológico, estas informações não têm, a princípio, conexão com outras pessoas ou com outros eventos. 

De modo que, às vezes, a Bíblia associa eventos históricos com idades de pessoas. No caso do rei Nabucodonosor, a Bíblia poderia ter dado a informação dessa mesma maneira. Suponhamos que a Bíblia tivesse dito o seguinte: 

‘No décimo dia do quinto mês, tendo Nabucodonosor, rei da Babilônia, 19 anos de idade, Nebuzaradã, comandante da guarda imperial, que servia o rei da Babilônia, veio a Jerusalém. Ele incendiou o templo do Senhor, o palácio real e todas as casas de Jerusalém. Todo o edifício importante foi incendiado por ele.’

Se a Bíblia apresentasse esta informação, o procedimento que teríamos de seguir para descobrir em que ano ocorreu esse incêndio de Jerusalém seria o mesmo: Teríamos de procurar alguma evidência histórica que nos permitisse saber em que ano o rei Nabucodonosor nasceu. Com esta informação em mãos, saberíamos automaticamente qual foi o ano da destruição de Jerusalém, já que o registro acima inclui o detalhe de que o rei Nabucodonosor tinha 19 anos de idade na ocasião. E, naturalmente, a data de nascimento dele poderia ter sido em qualquer ano, já que esta informação só se refere a ele, e a mais ninguém na história. 

Acontece que não é assim que a Bíblia dá a informação neste caso. O que citamos acima são as palavras de Jeremias 52:12, 13. Mas a citação não está inteiramente correta. O que Jeremias realmente disse foi: 

“No décimo dia do quinto mês, no décimo nono ano de Nabucodonosor, rei da Babilônia, Nebuzaradã, comandante da guarda imperial, que servia o rei da Babilônia, veio a Jerusalém. Ele incendiou o templo do Senhor, o palácio real e todas as casas de Jerusalém. Todo o edifício importante foi incendiado por ele.” (Nova Versão Internacional

O profeta Jeremias não disse que Nabucodonosor tinha 19 anos de idade. Ele disse que estes eventos ocorreram quando ele estava em seu décimo nono ano de governo. E isso faz o assunto mudar completamente de figura. Por quê? Porque, diferente da data de nascimento, o ano de início do governo de um rei não é o tipo de informação que se refere só a ele e a ninguém mais. Este dado está embutido dentro de uma cronologia histórica

Se Nabucodonosor estava no décimo nono ano de governo quando o general dele destruiu Jerusalém, logicamente Nabucodonosor tinha sido entronizado exatamente 19 anos antes disso. E este momento, 19 anos antes, tinha sido também a ocasião da morte e do fim do governo do pai dele (Nabopolassar), que era o rei anterior. E como a história nos informa que Nabucodonosor reinou durante 43 anos, então o reinado do filho dele (Evil-Merodaque) começou exatamente 43 anos depois do ano em que Nabucodonosor foi entronizado. E assim sucessivamente, seja no caso dos muitos reis anteriores a Nabucodonosor, seja no caso de todos os que o sucederam como rei. Uma data de nascimento de um rei poderia ser em qualquer ano, já que este dado está associado unicamente a este rei. Já a data em que um rei foi entronizado não tem relação só com esse rei. Matematicamente, isso tem relação direta com uma infinidade de outros fatos históricos. 

E isso significa também o seguinte: Nenhum erudito ou historiador pode mudar a data de início do governo de um rei segundo sua própria preferência e vontade. Pois o erudito sabe que se fizer isso, será obrigado a mudar também as datas do início do reinado de todos os outros reis que governaram antes e depois desse rei.  

O escritor da revista A Sentinela não disse uma palavra sobre este problema aos leitores. Nos parágrafos da Sentinela que falam sobre a VAT 4956, ele insiste que essa tabuinha astronômica aponta “com mais certeza” para o ano 588 AEC como sendo o 37º ano de Nabucodonosor e afirma que este é o ano correto. Isso significa que, segundo ele, Nabucodonosor foi entronizado 37 anos antes de 588 AEC, ou seja, no ano 625 AEC. Mas o escritor da revista sabe que esta não é a data histórica da entronização de Nabucodonosor. (Historicamente, Nabucodonosor II se tornou rei em 605 AEC, não em 625 AEC.) 

Ele também tem plena consciência de que um dado cronológico desse tipo não pode ser tratado de maneira isolada. Se ele alterar a data do 37º ano de Nabucodonosor, será obrigado a mudar as datas do início do reinado de todos os reis anteriores e posteriores a Nabucodonosor, conforme foi explicado acima. Para deixar isso bem claro, consideremos que impacto teria essa alteração em 20 anos na data do eclipse descrito na VAT 4956 (defendida na revista A Sentinela), nas cronologias referentes aos impérios assírio e neobabilônico. A tabela a seguir inclui uma série de reis (com seus períodos de reinado entre parêntesis) e uns poucos fatos ocorridos nesses dois períodos históricos:

Rei (e período de reinado) ou Evento Histórico
Cronologia Histórica Estabelecida (Datas AEC)
Cronologia Alterada em A Sentinela (Datas AEC)
Esar-Hadom (11 anos)
680 – 669
700 – 689
Samas-sum-iuquin (20 anos)
668 – 648
688 – 668
Kandalanu (21 anos)
647 – 626
667 – 646
1º ano de Nabopolassar
625
645
Conquista de Nínive por Nabopolassar e Ciaxares.
612
632
Conquista de Harã. Fim do Império Assírio
609
629
Morte de Nabopolassar. Nabucodonosor II se torna rei.
605
625
Nobres de Jerusalém deportados para Babilônia (7º ano de Nabucodonosor II).
598
618
Destruição de Jerusalém e do templo (18º ano de Nabucodonosor II).
587
607
Eclipse da VAT 4956 (37º ano de Nabucodonosor II)
568
588
Morte de Nabucodonosor II
562
582
Evil Merodaque (1 ano)
561 – 560
581 – 580
Neriglissar (3 anos)
559 – 556
579 – 576
Labashi-Marduque (3 meses)
556
576
Nabonido e Belsazar (16 anos)
555 – 539
575 – 559
Conquista de Babilônia por Ciro e morte de Belsazar.
539
559
Se a data do eclipse descrito na tabuinha VAT 4956 for deslocada vinte anos para trás, todas as outras datas também deverão ser deslocadas 20 anos para trás.

Percebe-se facilmente que fazer alteração numa data histórica não é uma coisa tão simples como o escritor da revista A Sentinela quer nos fazer crer. Ele está fazendo isso com o claro objetivo de forçar o 18º ano do rei Nabucodonosor (o ano da destruição de Jerusalém) a ser mudado de 587 AEC para 607 AEC (vide a tabela acima). Acontece que esse procedimento não mudaria apenas a data da destruição de Jerusalém. Se a data de qualquer evento ocorrido num ano específico de reinado de um rei for mudada, isso obrigaria os historiadores a fazer uma alteração geral em toda a cronologia. A bem dizer, eles teriam de mudar a história! 

A questão é: Como é que os historiadores procedem para estabelecer suas datas, tais como essas que estão especificadas na coluna central acima (“Cronologia Histórica Estabelecida”)? A resposta é simples: Eles definem cada um dessas datas com base no que indica o conjunto completo da documentação histórica.  

Os próprios artigos da revista A Sentinela que estamos comentando aqui reconhecem que este é o procedimento que os historiadores modernos seguem. Embora o número de outubro de A Sentinela tenha dado a entender erroneamente (na página 29) que os eruditos se baseiam apenas nos ‘escritos de historiadores clássicos e no Cânon de Ptolomeu’, A Sentinela de 1º de novembro, página 22, contradiz isso, mencionando também 

Quanto maior for o número de informações documentais e astronômicas que apontem para uma determinada data, e quanto mais fortes forem os sincronismos entre esta data e outras datas historicamente comprovadas, mais certeza os eruditos terão de que a cronologia está correta. E como eles não têm nenhuma predileção especial por alguma data, é claro que eles não vêem motivo para ficar procurando algum documento ou partícula de informação que confirme essa data “preferida”, para em seguida obrigar o resto da cronologia a se harmonizar com ela. Eles simplesmente estabelecem as datas, conforme são indicadas pelo exame de toda a documentação histórica disponível. E se acontecer de uma evidência parecer indicar duas ou mais datas possíveis para um determinado evento? Os historiadores não escolherão uma das datas por conta própria. De novo, o que eles farão é examinar toda a evidência confiável disponível para decidir qual das duas é a correta. 

O escritor desses artigos sobre cronologia na revista A Sentinela segue um procedimento totalmente contrário ao dos historiadores. Como vimos, ele não nega que o eclipse descrito na VAT 4956 aponta para duas datas: 568 AEC e 588 AEC. Porém, ele decide que 588 AEC é a correta. Baseado no conjunto da evidência histórica? De jeito nenhum. Ele faz isso por conta própria, só para poder harmonizá-la com 607 AEC. E não informa aos leitores que esta alteração provocará uma mudança drástica em toda a cronologia histórica estabelecida do período.  

E o que ele faz com todas as evidências na documentação histórica e astronômica que os eruditos tinham consultado para estabelecer criteriosamente todas essas datas? Ele as ignora completamente! Porque, na verdade, antes de começar a falar sobre a VAT 4956, ele tinha predisposto os leitores a rejeitar essas evidências. Como? Por gastar metade do artigo da Sentinela de outubro e mais da metade do artigo da Sentinela de novembro fazendo tudo para depreciar essa documentação histórica, dando a entender que os documentos não são válidos para estabelecer cronologia alguma, pelo fato de conterem erros – e ainda usando palavras selecionadas dos próprios eruditos, para fazê-los “concordar” com tudo isso! 

Tudo o que foi explicado acima estabelece as razões para declarar este primeiro argumento inválido. Para se estabelecer uma cronologia histórica, o procedimento correto é primeiro examinar toda a evidência, apresentar esta evidência de maneira justa e imparcial e depoisapresentar as conclusões que este conjunto de evidência indica. Apresentar primeiro a conclusão e depois forçar a cronologia a se adaptar a essa conclusão, tratando um fato histórico como se fosse algo isolado, revela uma completa falta de critério para lidar com essa disciplina. E induzir os leitores a uma conclusão pretendida, por esconder deles evidências importantes e ainda distorcendo a evidência limitada que é apresentada, é desonestidade intelectual pura e simples. 

C-2: As 13 Posições Lunares da VAT 4956

Em primeiro lugar, se os dois artigos da revista admitiram o tempo todo que nenhum erudito apóia a data 607 AEC e todos eles endossam 587 AEC como a data correta para a destruição de Jerusalém (sendo 568 AEC a data correta para o eclipse da VAT 4656), só podemos concluir que nenhum erudito – incluindo os citados por nome nos artigos e notas da Sentinela – deve ter feito parte dessa equipe de “pesquisadores” não identificados, que endossou esta última afirmação do parágrafo. 

Levantam-se também questões quanto às próprias declarações. Por exemplo, o que significa a frase “nem todos esses grupos de posições lunares são compatíveis com o ano 568/567 AEC”? Se dos 13 grupos testados, 12 deles apresentaram compatibilidade, ainda poderia ser dito que “nem todos são compatíveis”. Portanto, esta é uma frase vaga. 

E o que vem a ser “compatibilidade”? Dizer que ‘nem todos os grupos de posições são compatíveis com 568 AEC e todos são compatíveis com 588 AEC’, deixa a questão “no ar”, porque não se dá informação sobre o critério que esses “pesquisadores” usaram para estabelecer o que é ‘compatibilidade’ e o que não é.  

Mesmo que alguém diga que não temos o direito de levantar perguntas sobre o motivo da não identificação da equipe de pesquisadores, ainda permaneceriam sérias questões sobre a própria pesquisa. A mais importante é esta: Por que a pesquisa não foi apresentada na revista A Sentinela, para que os leitores a confiram?  

Por estas razões, este segundo argumento também é inválido. Ele não passa de uma série de afirmações vagas e não provadas. Para resolver o assunto, um dos colaboradores do Mentes Bereanas também conferiu estes grupos de posições lunares da VAT 4956. Os resultados destas simulações são apresentados na Parte 4, para que os leitores confiram os resultados por si mesmos. 

C.3 – O Dia Especificado na Linha 3 da VAT 4956

Além de insistir no mesmo erro que já consideramos acima (ou seja, continuar tratando um fato cronológico de maneira isolada), este parágrafo da Sentinela adotou um procedimento curioso: O escritor se apega a esta questão da data na linha 3 da VAT 4956, e insiste que a data está certa, apesar de os eruditos que a traduziram terem afirmado que o escriba errou no registro do dia. 

Conforme vimos, os dois artigos da Sentinela são pródigos em fazer citações de eruditos para dar a entender que eles consideram as evidências históricas inválidas e descartáveis. No caso deste parágrafo, envolvendo a VAT 4956 o procedimento é o oposto: Os eruditos disseram realmenteque este dado está errado, mas o escritor da A Sentinela dedica a maior parte do espaço das páginas 26 e 27 da revista insistindo agora que a tabuinha astronômica está certa, e os eruditos que disseram isso é que estão errados

O título do livro dos eruditos em questão (escrito em 1915) é o destacado aqui: 

Tradução do título (em alemão):

Um Texto de Observação Astronômica

do 37º ano de Nabucodonosor II

(– 567/66)

[– 567/566 é a data astronômica correspondente a 568/567 AEC]

Note-se que um livro onde os autores apontam a data 568 AEC como sendo o 37º ano de Nabucodonosor está sendo citado pela revista A Sentinela para “provar” que o ano correto é 588 AEC! Naturalmente, como os dois eruditos que o escreveram são falecidos, eles não poderiam questionar o escritor da revista A Sentinela por estarem sendo desmentidos dessa maneira.  

Face a este problema, vamos admitir por um momento que o escritor da revista esteja certo e os eruditos erradosA Sentinela afirma no parágrafo que “a posição lunar na linha 3 se encaixa perfeitamente com 9 de nisanu de 588 AEC.” Repetimos agora a pergunta: Se ele achou por bem dedicar tanto espaço na revista para desmentir os dois eruditos, por que ele não apresentou o resultado da pesquisa referente a essa linha 3, usando a data que ele acha ser a certa, para que os leitores possam comprovar por si mesmos? Não seria razoável esperarmos isso? 

Portanto, este terceiro argumento também é inválido. O parágrafo faz uma afirmação não provada e inverte o próprio argumento usado em todo o resto dos artigos, no tocante às citações dos eruditos. Para que os leitores confiram se o encaixe é realmente “perfeito”, como a revista diz, indicamos novamente a pesquisa na Parte 4. Como no caso das demais posições, o teste desta posição lunar foi feito nas duas datas, tanto na apontada pelos eruditos, como na data mudada pelo escritor da revista A Sentinela

Na conclusão do artigo da A Sentinela de novembro, aparece este parágrafo: 

Isso resume toda a informação errada que foi dada nas duas revistas: 

  • Não existe uma ‘minoria’ de historiadores que acredita que Jerusalém foi destruída em 607 AEC, como se dá a entender. 
  • Os profetas Jeremias e Daniel não disseram “claramente” coisa alguma sobre a duração do exílio judaico. O texto de Jeremias 25:12 (de novo omitido aqui) é suficiente para provar que nenhum dos dois profetas estava sequer falando sobre exílio. 
  • Nenhuma das evidências citadas dá “algum apoio secular” à data de 607 AEC.

A verdade simples é que, assim como o artigo da revista de 1º de outubro não conseguiu estabelecer a base bíblica desta data, o artigo de 1º de novembro fracassou em provar a validade histórica dela.

“O que os eruditos dizem” — e o que eles não dizem

Analisamos aqui várias frases de historiadores, que foram citadas nos dois artigos de A Sentinela, em confronto com o que dizem os trechos das publicações onde elas se encontram. As frases em questão aparecem sublinhadas nos scans originais e em negrito nas nossas traduções. 

A Sentinela de 1º de outubro de 2011, pág. 30: 

Parágrafo:

A impressão transmitida com esta citação é que Leo Depuydt disse que a informação histórica no Cânon Real não é confiável. Será que o artigo dele permite essa conclusão?

A nota 6 do parágrafo de A Sentinela é a referência ao Journal of Cuneiform Studies (Revista de Estudos Cuneiformes), Volume 47 (1995), págs. 106 e 107. Este é um trecho do artigo de Leo Depuydt, intitulado “Mais Valioso do Que Todo o Ouro” – O Cânon Real de Ptolomeu e a Cronologia Babilônica. Os scans das duas páginas citadas na revista A Sentinela aparecem a seguir:

Tradução da parte A do subtítulo 3, que começa na página 106 e termina na segunda coluna da página 107:

3. Observações Práticas Sobre a Seção Babilônica do Cânon

A. É o Cânon Verdadeiro?

Presume-se aqui que a Cânon seja verdadeiro. Até onde chega meu conhecimento, ninguém refutou qualquer aspecto do Cânon com base sólida. Por outro lado, demonstrar a exatidão do Cânon positivamente não é uma coisa fácil. Na vasta rede de fatos e inferências que caracterizam a cronologia do primeiro milênio AC, a exatidão do Cânon é, em certos momentos cruciais, simplesmente aceita como um axioma. Localizar essas junções não é uma coisa pequena. Já por muito tempo se sabe que o Cânon é confiável no aspecto astronômico. As observações datadas de acordo com ele podem ser todas autenticadas. Mas isso não quer dizer que ele seja automaticamente confiável no aspecto histórico.

As relações entre os anos de reinado na coluna 2 e os anos de acordo com a Era na coluna 3 podem ter ficado adulteradas pela tradição na qual se baseia o Cânon. Contanto que um eclipse seja atribuído ao ano egípcio correto, disperso na coluna 3, a utilidade do Cânon para fins astronômicos não seria afetada, qualquer que fosse o rei e o ano de reinado atribuído a um ano de Nabonassar.

Em certa ocasião, a confiabilidade do Cânon era um artigo de fé. Este era o caso, especialmente antes das grandes decifrações, quando nenhuma fonte contemporânea estava disponível; os autores clássicos que escreviam sobre o Oriente Próximo raramente mostravam o grau desejável de exatidão em matérias sobre cronologia.

Por exemplo, Ideler, em seu manual (1825-1826, 1:117), faz a declaração vaga de que muitos estudiosos da cronologia duvidaram da confiabilidade do Cânon, mas ele acha que os historiadores mais perspicazes estão de acordo quanto à importância dele. Uma ocasional falta de confiança no Cânon pode ser notada até mais recentemente. Em sua obra sobre a cronologia da Dinastia Ptolemaica no Egito, Skeat diz que o Cânon é “absolutamente exato – um fato que curiosamente os historiadores não tem estado dispostos a reconhecer” (1969, 3). Só um exame de um escopo muito maior do que esta análise permitiria acalmar todas as dúvidas com relação ao Cânon, ou pelo menos revelar o que devemos exclusivamente ao Cânon e a nenhuma outra fonte.

Nesse meio tempo, uma peça importante de evidência em favor da confiabilidade do Cânon é a da data egípcia do eclipse de 16 de julho de 523 AEC, mencionada no Almagesto V 14, a saber, dia 7 do mês 7 do 7º ano de Cambises, data esta que pode ser combinada com a data babilônica de um eclipse mencionado na tabuinha cuneiforme Camb. 400, a saber, dia 16 do mês 4 do 7º ano de Cambises (Oppert 1891; Parker 1941, 294, nota 26; Pinches 1955, 1477). Ambos os textos mencionam que o eclipse começou cerca de uma hora antes da meia-noite e quais foram suas peculiaridades. O fato de esta data greco-egípcia do Almagesto, que está de acordo com o Cânon, poder ser combinada com a data babilônica num documento babilônico diz pouco para o astrônomo, mas muito para o historiador. Ela faz muito para garantir que a parte do Cânon do período persa em diante é confiável. No que diz respeito aos governantes anteriores, o Cânon precisaria ser comparado com o registros cuneiformes reino por reino, levando-se em consideração todas as datas nas fontes literárias e não-literárias, a fim de estabelecer se, e onde, o Cânon entra em conflito com as fontes cuneiformes. A concordância parece ser a regra, mas isso teria de ser confirmado.”

A leitura atenta do trecho acima, prestando-se atenção ao tom geral dele, deixa claro que Depuydt não estava questionando à revelia a confiabilidade das informações históricas presentes no Cânon. Muito pelo contrário, logo de início ele disse que “ninguém refutou qualquer aspecto do Cânon em base sólida“. Mais adiante ele mostra que, embora não haja unanimidade, os historiadores tendem a confiar (não duvidar) da historicidade do documento.

O que ele defende no artigo nada mais é que o rigor científico, a saber, que não se deve aceitar toda e qualquer informação histórica presente no Cânon Real sem confirmação em outras fontes históricas. Quanto mais informações de outras fontes existirem, melhor, e as decifrações de outros escritos têm ajudado a confirmar (não contradizer) o conteúdo do Cânon.

Convém repetir aqui o contexto da segunda frase citada na revista A Sentinela. A declaração de Depuydt, com destaque para o que ele estava realmente enfatizando, diz: 

“No que diz respeito aos governantes anteriores, o Cânon precisaria ser comparado com o registros cuneiformes reino por reino, levando-se em consideração todas as datas nas fontes literárias e não-literárias, a fim de estabelecer se, e onde, o Cânon entra em conflito com as fontes cuneiformes. A concordância [com outras fontes históricas] parece ser a regra, mas isso teria de ser confirmado.”

A Sentinela de 1º de novembro de 2011, pág. 23: 

Parágrafo:

A Sentinela não informa a fonte dessa citação, mas estas frases de R. H. Sack podem ser encontradas em Zeitschrift für Assyriologie und Vorderasiatische Archäelogie, Vol. 68 (1), 1º de janeiro de 1978, cujo scan e tradução do trecho aparecem a seguir:

Tradução:

“Os documentos cuneiformes até agora puderam nos dizer muito pouco sobre os importantes eventos que podem ter ocorrido no sul da Mesopotâmia entre os anos 594-557 A.C. Infelizmente, o trabalho de A. K. Grayson não mostra quaisquer “crônicas” ou “excertos” do Museu Britânico que poderiam ter fornecido muita informação desejável sobre os reinados de Nabû-kudurri-usur (Nabucodonosor, no AT), Amel-Marduque (Evil-Merodaque, no AT), Nergal-sarra-usur (Neriglissar, nos Clássicos) e Labasi-Marduk [Labashi-Marduque]. Como resultado, o historiador, por bem ou por mal, é obrigado a examinar as fontes secundárias hebraicas, gregas e latinas (bem como as tabuinhas comerciais cuneiformes datadas) na esperança de determinar o que realmente aconteceu durante este período. Fontes deste tipo, quando colocadas juntas, podem às vezes apresentar imagens intrigantes sobre períodos e personalidades sobre os quais se escreveu relativamente pouco. Esta é a situação com o reinado de Nergal-sarra-usur [Neriglissar], rei de Babilônia entre os anos 560 – 556 A.C. O caso dele é, talvez, o único em que os nossos documentos cuneiformes abordam um tanto extensivamente as atividades dele antes de se tornar rei, ao passo que os comentários secundários fornecem informação que até agora não foi corroborada por qualquer fonte primária de evidência.”

Em primeiro lugar, o que R. H. Sack disse sobre a falta de informação nos documentos cuneiformes, ocasionando que os historiadores tenham de “examinar as fontes secundárias… na esperança de determinar o que realmente aconteceu”, refere-se a um período da história neobabilônica, “entre os anos 594-557 A.C.” Por isso, a ênfase correta dessa frase (citada na íntegra aqui) deveria ter sido colocada nestes trechos grifados:

“… o historiador, por bem ou por mal, é obrigado a examinar as fontes secundárias hebraicas, gregas e latinas (bem como as tabuinhas comerciais cuneiformes datadas) na esperança de determinar o que realmente aconteceu durante este período.”

Enfatizamos: Além de Sack não ter invalidado as fontes primárias, a frase dele foi específica, não genérica.

Em segundo lugar, essa falta de informação referida por ele é “sobre os reinados” em si, não sobre os períodos de reinado. Em parte alguma do livro ele colocou em dúvida a cronologia do governo dos reis que ele menciona (Nabucodonosor, Evil-Merodaque, Neriglissar e Labashi-Marduque). Neste mesmo trecho, o período que ele atribui ao governo de Neriglissar (560 – 556 AC) está de acordo com a cronologia histórica estabelecida.

O escritor de A Sentinela selecionou dois trechos de uma frase do livro e omitiu o restante da frase, generalizando um comentário específico do erudito, e fazendo-o “concordar” que as fontes de documentação cuneiforme não servem para estabelecer a cronologia do período neobabilônico inteiro. R. H. Sack nunca afirmou isso.

A Sentinela de 1º de novembro de 2011, págs. 23 e 24:

Parágrafo

Notas 6 e 7

Os scans das páginas 2 e 3 deAmel-Marduque 562-560 B.C. — Um Estudo Baseado nas Fontes Cuneiformes, do Velho Testamento, Gregas, Latinas e Rabínicas. Com as Tabuinhas, de Ronald H. Sack, (1972) são reproduzidos abaixo:

Tradução:

Capítulo I: As Fontes

a) Fontes Cuneiformes

Os reinados de praticamente todos os monarcas do período neobabilônico são abundantemente comprovados, tanto pela Crônica Babilônica como por numerosas inscrições em edifícios. Para o reinado de Amel-Marduque, porém, não há qualquer documentação. Até agora, só um pequeno número de textos comerciais e uns poucos fragmentos de vasos foram descobertos ou disponibilizados para análise e exame. As inscrições em vasos podem ser abordadas rapidamente, pois elas não servem a qualquer propósito útil a não ser confirmar o fato de que Amel-Marduque foi o filho de Nabucodonosor. Os textos comerciais, por outro lado, são de valor considerável, pois suas especificações de datas habilitam os historiadores a determinar com bastante precisão o período de reinado não só de Amel-Marduque, como também dos outros componentes da dinastia dele. Foi com estas tabuinhas em mãos que Parker e Dubberstein elaboraram a seguinte cronologia:

Nabopolassar17(?) de maio de 62615 de agosto de 605
Nabucodonosor7 de setembro de 6058 de outubro de 562
Amel-Marduque8 de outubro de 5627 de agosto de 560
Neriglissar13 de agosto de 56016 de abril de 556
Labashi-Marduque3 de maio de 55620 de junho de 556
Nabonido25 de maio de 55613 de outubro de 539

Conforme se examina esta lista, a atenção se concentra imediatamente na ocorrência de duas tabuinhas datadas no mesmo dia, uma delas (um texto de Uruque) contendo o nome de Nabucodonosor, e a outra (provavelmente de Sipar) apresentando o nome de seu filho e sucessor, Amel-Marduque. Isso, pelo menos superficialmente, pareceria justificar a conclusão de que o reinado de Amel-Marduque começou em, ou por volta de 8 de outubro de 562. Todavia, dois novos textos não-publicados do Museu Britânico, colocados recentemente à minha disposição, derrubam totalmente esta combinação conveniente. Parte de um texto (que pode ter incluído o nome da cidade na qual ele foi composto) infelizmente está quebrado, mas a maior parte das especificações de datas felizmente se mantiveram. Os textos (números 56 e 79 no conjunto), surpreendentemente estão datados bem claramente nos meses de duzu e abu (ou seja, o quarto e o quinto meses do ano calendar babilônico) do ano de ascensão de Amel-Marduque, e desta forma se sobrepõem claramente no ano final, ou quadragésimo terceiro ano de seu pai, Nabucodonosor. Conforme Parker e Dubberstein já mostraram, os textos continuam a ser datados no reinado de Nabucodonosor durante o mês de ululu (o sexto mês) do último ano dele. Embora a maioria dos contratos conhecidos datados no sexto mês seja do sul (Uruque), ainda assim dificilmente pareceria razoável que levaria bem mais de dois meses até as notícias da morte de Nabucodonosor chegarem a Uruque, vindas de Babilônia (a menos, é claro, que este novo texto datado no mês de duzu venha a levar à conclusão de que ele morreu antes do que se pensava anteriormente). A evidência do ano de ascensão de Neriglissar mais do que nega essa hipótese. Além do mais, a existência de dois textos datados no mesmo dia (8 de outubro de 562), num deles aparecendo o nome de Amel-Marduque e no outro o de Nabucodonosor, indica mais provavelmente que o rei morreu realmente nos primeiros dias de outubro. Em vista desta nova (embora admitidamente diminuta) evidência, parece muito mais provável que um tipo de co-regência existiu antes da morte de Nabucodonosor. Talvez futuras descobertas esclareçam este ponto.

A Sentinela disse:

“… Sack escreveu que novos textos não divulgados do Museu Britânico postos a sua disposição “derrubam totalmente” as conclusões anteriores sobre a transição do reinado de Nabucodonosor II para seu filho Amel-Marduque (também chamado de Evil-Merodaque).” 

Errado. O que Sack disse no livro foi: 

“Todavia, dois novos textos não-publicados do Museu Britânico, colocados recentemente à minha disposição, derrubam totalmente esta combinação conveniente.” 

Que “combinação conveniente”? A que leva à “conclusão de que o reinado de Amel-Marduque começou em, ou por volta de 8 de outubro de 562.” 

A Sentinela disse:

“… Sack escreveu que novos textos não divulgados do Museu Britânico postos a sua disposição “derrubam totalmente” as conclusões anteriores sobre a transição do reinado de Nabucodonosor II para seu filho Amel-Marduque (também chamado de Evil-Merodaque).” 

Errado. O que Sack disse no livro foi: 

“Todavia, dois novos textos não-publicados do Museu Britânico, colocados recentemente à minha disposição, derrubam totalmente esta combinação conveniente.” 

Que “combinação conveniente”? A que leva à “conclusão de que o reinado de Amel-Marduque começou em, ou por volta de 8 de outubro de 562.” 

A questão aqui se refere inteiramente ao dia e mês em que o reinado de Nabucodonosor terminou e o do filho dele começou. Sack não levantou qualquer dúvida quanto ao ano em que ocorreu essa transição entre os reis. Pelo contrário, ele diz que “os reinados de praticamente todos os monarcas do período neobabilônico são abundantemente comprovados, tanto pela Crônica Babilônicacomo por numerosas inscrições em edifícios” e que “os textos comerciais… são de valor considerável, pois suas especificações de datas habilitam os historiadores a determinar com bastante precisão o período de reinado não só de Amel-Marduque, como também dos outros componentes da dinastia dele.” Na tabela apresentada logo na primeira página do capítulo (página 2, acima) alistam-se esses períodos de reinado, e o começo e o fim de cada um deles é indicado com precisão de dia e mês. O autor dá toda a evidência de estar de acordo com os anos de início e fim de cada reinado alistado nela. E ele jamais disse que essas duas tabuinhas que estudou “derrubam totalmente” a conclusão de que o fim do reinado de 43 anos de Nabucodonosor (e o começo do reinado de Amel-Marduque) ocorreu no ano de 562 AEC. Por isso, a frase da Sentinela “derrubam totalmente as conclusões anteriores sobre a transição do reinado” é uma citação que erra completamente o alvo.

O escritor de A Sentinela selecionou duas palavras de uma frase do livro e as inseriu numa frase de sua própria autoria, fazendo o erudito “dizer” que as tabuinhas econômicas lançam dúvidas sobre os anos de transição entre os reis neobabilônicos. De novo, R. H. Sack jamais afirmou tal coisa.

A Sentinela de 1º de novembro de 2011, pág. 24:

Parágrafo:

Nota 10:

O scan dessa página 61 do livro Nabonido e Belsazar – Um Estudo dos Eventos Concludentes do Império Neobabilônico, de Dougherty aparece a seguir. A frase citada no fim da nota 10 do parágrafo de A Sentinela aparece na nota de rodapé:

Tradução da nota de rodapé:

Em diversos textos que foram citados, Neriglissar é referido como filho de Bel-Sum-Ichcun. As inscrições reais de Neriglissar confirmam isso, com títulos imponentes atribuídos a Bel-Sum-Ichcun, tais como sar Bâbili ki, ‘rei de Babilônia’, NKI pág. 210, nº. 1, col. I, linha 14; rubû e-im-ga, ‘príncipe sábio’, NKI pág. 214, nº. 2, col. I, linha 11; id-lum-gi-it-ma-lum, ‘herói perfeito’, ibid., linha 12; na-si-ir ma-as-as-ar-tim Ê-sag-ila u Bâbili ki, ‘guardião das fortalezas de Esagila e Babilônia’, ibid., linhas 12 e 13. Com os dados atualmente à nossa disposição, a identificação de Bel-Sum-Ichcun com qualquer soberano conhecido é difícil. Pinches em O Antigo Testamento à Luz dos Registros Históricos de Assíria e Babilônia, pág. 409, sugere que o registro que declara que o pai de Neriglissar era rei de Babilônia está errado. Ticle em Babylonisch-assyrische Geschichte, pág. 465 em diante, expressa o conceito de que Bel-Sum-Ichcun pode ter sido o rei assírio cujo nome terminava com -ishkun; veja I R, pág.8, nº. 6. Sabe-se agora que isso é impossível, porque o nome do rei era na verdade Sin-shar-ishkun. Uma consideração de importância no que se refere a esta questão é a de Schnabel em OLZ XXVIII, 345-349, pois ela fornece uma reconstituição da cronologia do final do império assírio. Todavia, a evidência de que Neriglissar era de linhagem nobre não pode ser desconsiderada, pois ela fornece uma base para sua importância como homem de negócios antes de se tornar rei e explica sua habilidade de fazer uma aliança marital com a casa de Nabucodonosor. A similaridade com a atuação de Nabonido é notável.

A questão é: Será que Dougherty disse ou sugeriu que o pai de Neriglissar, Bel-Sum-Ichcun, tinha sido um rei neobabilônico? De jeito nenhum. O que ele fez foi citar uma série de títulos que as inscrições atribuem a Bel-Sum-Ichcun, mas Dougherty não presumiu em momento algum que ele tenha reinado no império babilônico. Pelo contrário, ele usa a maior parte dessa nota para apresentar questionamentos desta afirmação. (Para os leitores interessados em mais informações sobre Bel-Sum-Ichcun, indicamos novamente o artigo “Existiram Reis Neobabilônicos Desconhecidos?”. Há neste artigo uma consideração específica sobre este personagem [no ponto 5.])

A própria frase citada na Sentinela, se for lida na íntegra, não admite essa conclusão:

“… a evidência de que Neriglissar era de linhagem nobre não pode ser desconsiderada, pois ela fornece uma base para sua importância como homem de negócios antes de se tornar rei e explica sua habilidade de fazer uma aliança marital com a casa de Nabucodonosor.”

Todo o objetivo dele em citar esses dados sobre Neriglissar foi explicar de que maneira ele chegou ao trono de Babilônia. Ter “linhagem nobre” não é necessariamente o mesmo que pertencer à casa real. Se Neriglissar tivesse um pai que foi rei em Babilônia, ele teria assumido o trono por direito, sem precisar fazer “aliança marital” alguma. Não haveria porque Dougherty se preocupar em explicar todas essas coisas. Além de não afirmar isso, Dougherty ainda acautelou que “com os dados atualmente à nossa disposição, a identificação de Bel-Sum-Ichcun com qualquer soberano conhecido [do período neobabilônico ou fora dele] é difícil.”

O caso aqui é que o escritor de A Sentinela selecionou uma frase numa nota de rodapé, citou-a parcialmente, desconsiderou tudo o que esse professor universitário disse nesta nota e ainda ignorou o que ele diz em todo o resto do livro. Consideremos os seguintes exemplos pertinentes:

Logo na página 7 de Nabonido e Belsazar, Dougherty escreveu:

Tradução (exceto as notas de rodapé):

II

LISTAS DE REIS NEOBABILÔNICOS

As fontes cuneiformes que tratam das atividades de Nabonido e Belsazar se tornaram disponíveis como textos decifrados dentro dos últimos setenta e cinco anos. Antes da descoberta e tradução dos registros em argila, o conhecimento referente às ações e realizações dos reis neobabilônicas era escasso. Como Heródoto e Xenofonte fornecem poucos detalhes exatos, Megástenes, Beroso, Alexandre Polyhistor, Cláudio Ptolomeu, São Jerônimo e Sincelo são as principais fontes não-cuneiformes de informação. Um procedimento científico exige a consideração dos dados cronológicos gerais, antes de se introduzir evidência cuneiforme mais particular. A tabulação que segue permite uma comparação das diferentes listas de reis neobabilônicos que são conhecidas até o presente momento. Para efeito de um arranjo lógico, a crônica babilônica, embora descoberta em tempos comparativamente recentes é apresentada primeiro.

1. Reis Neobabilônicos segundo os Textos Cuneiformes

Nabopolassar21 anos626/625-605 A.C.
Nabucodonosor43 anos605-562 A.C.
Amel-Marduque2 anos562-560 A.C.
Neriglissar4 anos560-556 A.C.
Labashi-MarduqueAlguns meses556 A.C.
Nabonido17 anos556-539 A.C.

Depois de apresentar esta primeira lista de reis neobabilônicos, Dougherty apresentou outras sete listas nas páginas 8 a 10 do livro. Depois da oitava lista, na página 10, ele escreveu: 

Tradução (exceto a nota marginal):

Das listas de reis neobabilônicos acima, a primeira é baseada em mais de dois mil documentos cuneiformes datados. Isso deve, desta forma, ser aceito como o critério final na determinação das questões cronológicas neobabilônicas, a maioria das quais estão associadas com eventos que ocorreram no sexto século A.C. Julgados por este padrão incontestável, os escritos de Heródoto, do quinto século A.C. e os de Xenofonte, da primeira parte do quarto século A.C. carecem de verdadeira perspectiva histórica no que se refere a uma enumeração ordenada das listas de reis neobabilônicos. Os registros de Megástenes, os próximos na linha do tempo, são deficientes em virtude de ele não fazer qualquer menção de Nabopolassar, o fundador da dinastia, e não dar qualquer informação sobre quanto tempo cada rei governou. Foi só no terceiro século A.C. que a lista de Beroso apareceu, dentro de um verdadeiro contexto babilônico e, desta forma, com considerável exatidão. Polyhistor, do primeiro século A.C., alista todos os reis, exceto Labashi-Marduque e afirma de maneira precisa quanto tempo cada rei governou, com exceção do período que ele indica para o reinado de Amel-Marduque. Ptolomeu, do segundo século A.D., difere de Polyhistor somente por apresentar o número correto de anos do reinado de Amel-Marduque. São Jerônimo, que pertence principalmente ao quarto século A.D., exclui Nabopolassar de sua lista e registra a tradição bíblica referente a Belsazar. Em termos de uma verdadeira cronologia, ele deixa a desejar, pois não menciona a duração de nenhum reinado, exceto o de Nabucodonosor. Sincelo, do oitavo século A.D., dá atenção especial ao período neobabilônico em sua pesquisa histórica, que é baseada em dados astronômicos e eclesiásticos. Assim como Polyhistor e Ptolomeu, ele omite o nome de Labashi-Marduque em suas listas. Ao especificar a duração dos reinados, ele atribui períodos variados a Amel-Marduque, Neriglissar e Nabonido.

O simples exame da lista apresentada na página 7 mostra que Dougherty estava de pleno acordo com o que a evidência documental cuneiforme indica para a cronologia dos reis neobabilônicos. Os períodos de reinado que ele especificou lá são os mesmos que os historiadores defendem até hoje. E em nenhuma das oito listas que apresenta nestas páginas 7 a 10 de seu livro, Dougherty incluiu o nome de Bel-Sum-Ichcun (o pai de Neriglissar) entre os reis neobabilônicos. Isso deixa definitivamente claro que ele jamais aventou a hipótese de este homem ter sido rei de Babilônia. Portanto, de novo o escritor de A Sentinela fez uma citação deturpada desse erudito, com objetivos escusos.

Recordemos aqui o que a revista A Sentinela de 1º de outubro de 2011 havia dito na página 29:

Nada mais longe da verdade. Só o trecho acima, do livro do professor Dougherty, já é suficiente para derrubar essa afirmação. Enfatizemos aqui o que ele disse no livro:

“Das listas de reis neobabilônicos acima, a primeira é baseada em mais de dois mil documentos cuneiformes datados. Isso deve, desta forma, ser aceito como o critério final na determinação das questões cronológicas neobabilônicas, a maioria das quais estão associadas com eventos que ocorreram no sexto século A.C.”

Como se vê acima, depois de chamar a documentação cuneiforme de “critério final”, ele ainda prossegue destacando que estas fontes cuneiformes constituem um “padrão incontestável”, sendo muito superiores aos escritos dos historiadores clássicos, citando vários deles por nome e mostrando detalhadamente onde os registros deles apresentaram contradições e erros. Em termos simples, Dougherty dispensaria completamente esses escritos dos historiadores clássicos para estabelecer alguma cronologia.

Outra colocação pertinente dele, na página 7, é que “um procedimento científico exige a consideração dos dados cronológicos gerais, antes de se introduzir evidência cuneiforme mais particular.” Ele definiu o que já apresentamos como a maneira correta de se estabelecer uma cronologia histórica. Os “dados cronológicos gerais” devem ser levados em conta, antes de se considerar qualquer informação específica. Está completamente errado um pesquisador que pretende ser levado a sério fazer o contrário disso, fixando-se numa data de sua predileção, tentando de todas as maneiras encontrar alguma evidência cronológica para ela, e depois obrigando a história a se “adaptar” àquela data, ignorando todo o resto das evidências, apresentando informação limitada (e ainda de maneira tendenciosa) e deturpando o que a Bíblia e os eruditos dizem. São estes os métodos usados o tempo todo na revista A Sentinela, com o objetivo de defender a data de 607 AEC para a destruição de Jerusalém.

O escritor de A Sentinela selecionou uma frase de uma nota de rodapé do livro e usou-a para fazer R. P. Dougherty “dizer” que existiram outros reis neobabilônicos além dos apresentados pela história estabelecida. Ele jamais disse isso, e defendia o método científico para se lidar com cronologia.

A Sentinela de 1º de novembro de 2011, página 25:

Parágrafo:

Nota 15:

O parágrafo lança uma pergunta, que é imediatamente respondida. A resposta “Não necessariamente” é do escritor de A Sentinela, e ele responde isso antes de citar qualquer palavra do erudito. Daí, o parágrafo apresenta algumas frases do livro dele, com o intuito de confirmar essa resposta. 

As fotocópias das páginas 93, 94, 95 e 101 do livro de Van Der Spek são mostradas abaixo. A tradução do texto do subtópico (páginas 93 a 95, destacado com uma seta vermelha), dentro do qual estão as frases citadas na revista aparece em seguida:

Os Diários Astronômicos Como Uma Fonte para a História do Período Selêucida e Aquemênida – R. J. van der Spek, Bibliotheca Orientalis, páginas 93, 94, 95 e 101: 

Tradução do subtópico (páginas 93 a 95, exceto as notas marginais):

As seções históricas como parte dos Diários

Os Diários também contêm informação importante que não tem nada que ver com astronomia, a saber, relatórios sobre os preços de mercadorias e sobre eventos históricos. Ambos são, naturalmente, muito úteis para o estudo da história. A informação sobre preços é de importância primária para o estudo da história econômica. Os preços são mencionados no fim de cada seção mensal e são válidos para o mês inteiro, mas às vezes ocorrem mudanças nos preços durante o mês, e estas são registradas. Se as mercadorias não estavam à venda de maneira alguma (por exemplo, como conseqüência de guerra), isso era também registrado: mahiru paris “as vendas foram suspensas”. A maneira como os preços eram registrados é um tanto confusa para o pesquisador moderno. Ao passo que poderíamos esperar uma frase do tipo: ‘o preço de um quilo de cevada era n reais’, a informação era dada de outra maneira: mencionam-se as unidades de capacidade ou de peso (no caso da lã) de várias mercadorias que poderiam ser compradas com um quilo de prata. As mercadorias listadas são: cevada, tâmaras, mostarda (kasu), agrião, gergelim e lã.

Com muita freqüência, inclui-se informação histórica no fim de um relatório anual. Mencionam-se batalhas de reis, visitas de reis ou de oficiais reais ao templo, ofertas trazidas por eles, e também eventos evidentemente de muito pouca importância, tais como menções de que “cinco cachorros cercaram uma cadela” (no. -207, linha 17 do anverso).

À primeira vista, o propósito de registrar estes dados muito diferentes parece difícil de entender. Recentes estudos, porém, mostraram que os Diários Astronômicos constituíam uma espécie de livro-texto e uma fundamentação para a divinação, por exemplo, um livro-texto para horóscopos e agouros. Às vezes, a relação entre a terminologia dos Diários e dos chamados textos de predições é notável, como é demonstrado por F. Rochberg-Halton. A astrologia era também usada para previsões do tempo, o que poderia explicar a presença de relatórios meteorológicos nos diários. Até os preços de mercadorias estavam sujeitos às predições astrológicas, como se pode deduzir de um texto babilônico posterior, de Uruque. Assim, os eventos históricos mencionados nos diários, não são registrados devido ao interesse histórico, e sim para propósitos astrológicos e ‘divinatórios’. Os compiladores eram astrólogos, não historiadores. Isso explica o fato de que as seções históricas, como Hunger indica na Introdução dele (pág. 36), “são notavelmente desiguais: às vezes eles registram eventos de importância passageira da cidade de Babilônia, em outros casos eventos de importância política”. A razão para o registro de eventos históricos provavelmente era para apresentar uma relação entre os eventos do céu e da terra. Os eventos da terra poderiam ser tanto uma vitória do rei em alguma batalha, como também o fato de que “cinco cachorros cercaram uma cadela”. Ambos os tipos de ‘eventos históricos’ tinham sua importância nos augúrios, o que explica por que ambos são mencionados nos diários.

Presume-se freqüentemente que os diários eram também usados como (uma das) fonte(s) para os compiladores das crônicas babilônicas. A nova edição dá nova evidência para essa ideia. Naturalmente, isso não anula a ideia de Grayson de que os compiladores da crônica tinham seus próprios interesses e realmente trabalhavam sem um interesse realmente histórico.

As seções que registram eventos históricos são, naturalmente um assunto de maior importância para a avaliação dos desenvolvimentos históricos. Elas devem, porém, ser usadas com cautela em vista do seu propósito como material para pesquisa astrológica, mencionado acima. Mas, ainda num outro aspecto a posição geográfica dos compiladores dos diários determinava a substância da informação. Os compiladores viviam em Babilônia, eram associados com o templo e estavam mais bem informados sobre a situação em Babilônia e seu templo. A informação de importância política com freqüência tinha de vir de longe. No período selêucida, o núcleo do império mudou gradualmente para Antioquia sobre o Orontes e o rei com freqüência estava em campanha militar em regiões distantes. Assim a informação era mais ou menos casual e isso é às vezes expresso na fórmula introdutória: ITU BI al-te-e um-ma “nesse mês, eu ouvi o seguinte”: (por exemplo No -168 A14). Todavia, a desigualdade na maneira de relatar, conforme mencionado por Hunger é também evidente em outro aspecto. Em alguns diários, os registros de eventos históricos ocorrem com freqüência, mas em outros não temos qualquer informação por muitos anos consecutivos. Parece que nem todos os compiladores estavam interessados em eventos históricos da mesma maneira. Às vezes se faz uma observação dispersa, às vezes temos um relatório completo, como no relatório de 14 linhas sobre a Primeira Guerra Síria (no. -273, ‘ver. 29’-39’; UE 1-3). O reinado de Antíoco IV é muito bem registrado.

É bem evidente que não é possível tratar de todas as seções históricas numa simples resenha. Elas merecem uma abordagem extensa em publicações independentes, por isso eu me limitarei a poucos comentários sobre alguns pontos que chamam a atenção.

Tradução do último parágrafo da página 101:

Deve-se falar muito mais sobre a informação histórica nos diários, mas isso iria além do escopo desta resenha. Espero voltar a essas questões levantadas aqui em estudos independentes. Os casos só foram apresentados para dar uma ideia da importância do material. Temos de ser muito gratos pelo aparecimento destes importantes livros.

Amsterdã, abril de 1992R. J. VAN DER SPEK

Considerando-se as declarações do erudito, dentro do seu devido contexto, pergunta-se: Será que ele questionou a confiabilidade das informações históricas registradas nas tabuinhas? Disse ele que as informações registradas ‘não são necessariamente exatas’? A resposta a estas duas perguntas tem de ser: “Em momento algum.” 

O objetivo dele em mencionar que “os compiladores eram astrólogos, não historiadores”, não foi colocar em dúvida a veracidade dos registros. Ele falou isso para explicar que o interesse dos que faziam esses registros era astrológico, visando a “apresentar uma relação entre os eventos do céu e da terra”. Isso não é o mesmo que dizer que os eventos “da terra” tinham sido inventados pelos astrólogos. A interpretação que o astrólogo dava ao evento, ou que relação ele achava que esse evento na terra poderia ter com os “eventos do céu” (“os astros”) é outra questão. Mas o fato é que os eventos ocorridos na terra (sejam os politicamente importantes, tais como a vitória dum rei numa batalha, sejam os de importância nenhuma, tais como “cinco cachorros cercando uma cadela”) tinham ocorrido mesmo. Eles não eram fruto da imaginação dos astrólogos. 

Dizer que as informações históricas nesses diários “devem ser usadas com cautela” não é o mesmo que dizer que elas ‘não são necessariamente exatas’ e devem ser rejeitadas. A cautela no uso (não na rejeição, bem entendido) é necessária, não pelo fato de as informações históricas ‘não serem necessariamente exatas’, e sim “em vista do seu propósito como material para pesquisa astrológica”. 

O mesmo vale para a frase “a informação era mais ou menos casual”. O erudito disse isso para explicar que o interesse do registrador da informação, a situação no momento do registro e até a posição geográfica do registrador faziam variar a substância (ou quantidade) de informação histórica registrada na tabuinha. A variação era na quantidade, não na qualidade. Ele jamais disse que esses diferentes fatores envolvendo os registradores afetavam a veracidade da informação histórica registrada. 

Se o historiador Van Der Spek tivesse um conceito tão baixo assim sobre as informações históricas registradas nos diários astronômicos de Babilônia, e as achasse tão indignas de crédito como o escritor de A Sentinela dá a entender, ele jamais teria dito no livro que os diários são “muito úteis para o estudo da história”, que eles “merecem uma abordagem extensa em publicações independentes”, que “deve-se falar muito mais sobre a informação histórica nos diários” e que “temos de ser muito gratos pelo aparecimento destes importantes livros”. Estas declarações, bem como a evidente disposição de dedicar tempo para estudar os diários a fundo não poderiam vir de alguém que pensa que as informações históricas no material ‘não são necessariamente exatas’ e devem ser descartadas ao primeiro sinal de dúvida.

O escritor da revista A Sentinela selecionou cuidadosamente três frases dispersas e se serviu delas para fazer o erudito “apoiar” o menosprezo da revista ao valor das informações históricas registradas nas tabuinhas astronômicas. O historiador Van Der Spek não compartilha de modo algum esse conceito.

A Sentinela de 1º de novembro de 2011, pág. 28 (grifo acrescentado):

O artigo “As Antigas Observações Datáveis da Aurora Boreal”, de F. R. Stephenson e David M. Willis, referido nesta nota, é citado em outras obras. Reproduzimos abaixo trechos deste artigo, conforme aparecem na revista Astronomy & Geophysics, Volume 45 (dezembro de 2004), págs. 6.15 e 6.16:

Tradução:
1: O reverso da tabuinha babilônica (VAT 4956) que contém o registro da aurora em 567 AC (Staatliche Museen, Berlim/Olaf M TeBmer)

Tradução do abstrato:
“Os antigos textos astronômicos babilônicos, descobertos no local de Babilônia (32,5º N, 44,4° E) há mais de um século, contêm o que é provavelmente o mais antigo relato confiável da aurora boreal. Uma tabuinha de argila que registra numerosas observações celestes feitas por astrônomos oficiais durante o 37º ano do reinado de Nabucodonosor II (568/567 AC) descreve um “brilho vermelho” incomum no céu à noite; a data exata dessa observação corresponde ao de uma noite de 12/13 de março de 567 AC. A interpretação mais provável do fenômeno é que isso foi o aparecimento de uma aurora. Este evento ocorreu vários séculos antes da primeira observação claramente identificável da aurora em outra parte do mundo, a saber, a China em 193 AC. A observação da aurora em Babilônia é notável no sentido de que ela faz parte de uma série de observações astronômicas cuidadosamente registradas, sendo que para cada uma delas o ano, o mês e o dia são conhecidos com exatidão. Esta observação ocorreu num momento em que a latitude geomagnética (dipolar) de Babilônia era de aproximadamente 41º N em comparação com o valor atual de 27,5º N, sugerindo que havia uma maior incidência da aurora em Babilônia no ano 567 AC do que no presente.”

A nota 18a do artigo de A Sentinela fala em “datas calendares” associadas aos grupos de três medições lunares (“lunar threes”), cita o artigo dos dois eruditos e em seguida aparece a frase “Essas medições não eram confiáveis.”

Incluir tal frase neste contexto é absolutamente desencaminhante. A Sentinela não só deixa de informar os leitores qual era a data em questão no artigo citado, como contradiz frontalmente os eruditos. No artigo, eles apresentaram a data de 12/13 de março de 567 AEC (não 587 AEC, como defende A Sentinela) e se referiram a esta como uma “data exata”, sendo a observação “provavelmente o mais antigo relato confiável da aurora boreal”, e que ela “faz parte de uma série de observações astronômicas cuidadosamente registradas, sendo que para cada uma delas o ano, o mês e o dia são conhecidos com exatidão.” O que diz esse sumário traduzido acima reflete o conteúdo do artigo deles. Em parte alguma desse artigo eles afirmaram taxativamente que “as medições não eram confiáveis”.

A frase “Essas medições não eram confiáveis” é de responsabilidade exclusiva dos escritores da revista A Sentinela. Os historiadores F. R. Stephenson e David M. Willis não fizeram esta declaração. O artigo deles diz o contrário, e justamente em relação a uma das datas históricas estabelecidas pela VAT 4956.

Conforme já vimos, nem todos os eruditos citados na Sentinela são vivos. Já consideramos o uso que a revista fez das palavras de alguns eruditos tais como Neugebauer e Weidner (no final da Parte 2 – O Que os Documentos Realmente Mostram) e R. P. Dougherty (acima). Sendo estes três autores já falecidos, naturalmente não poderiam expressar uma palavra de protesto perante a organização religiosa que publica a revista A Sentinela e abusou dessa maneira do trabalho deles. 

Mas, e quanto aos eruditos que estão vivos no momento em que escrevemos esta análise? As citações de alguns foram também consideradas acima. Sabe-se também como eles encararam essas referências. Na página seguinte, apresentam-se declarações que dois deles emitiram, após verificarem o conteúdo dos dois números de A Sentinela:

O que dois eruditos disseram sobre os artigos de A Sentinela

Em resposta a uma pesquisadora que o contatou, o Dr. John Steele declarou:

From: Steele, John [N.T.: O e-mail pessoal foi omitido, a pedido dele]
To: marjoriealley [E-mail omitido]
Date: Fri, Sep 2, 2011 9:32 am

Dear Ms Alley,

Thank you for your email concerning the citation of my work in the recent Watchtower article. As you suggest the author of this piece is completely misrepresenting what I wrote, both in what they say about the lunar three measurement, and in what I say about the possibility of retrocalculation of eclipses (my comments on the latter were restricted to a distinct and small group of texts which are different to the Diary they are discussing). Just glancing through the Watchtower article I can see that they have also misrepresented the views of other scholars by selective quotation out of context.

I’ve looked at the date of VAT 4956 on several occasions and see no possibility that it can be dated to anything other than the conventional date.

Regards,

John Steele

Tradução: Obrigado por seu e-mail referente à citação do meu trabalho no artigo recente da Sentinela. Conforme você sugere o autor deste trecho está representando de maneira completamente deturpada o que eu escrevi, tanto no que eles dizem sobre as medidas dos lunar threes [as trincas de posições lunares], como no que eu digo sobre a possibilidade de cálculos retroativos de eclipses (meus comentários quanto a estes últimos se restringiram a um grupo específico e pequeno de textos que são diferentes do Diário que eles estão considerando). Com um simples olhar geral no artigo da Sentinela, posso ver que eles deturparam também as opiniões de outros eruditos, por selecionar citações fora do contexto. Verifiquei a data da VAT 4956 em várias ocasiões e não vejo qualquer possibilidade de que ela possa ser fixada em qualquer outra data que não a convencional [568 / 567 AC].

Outro erudito, o Dr. Ronald Sack, expressou enfaticamente sua desaprovação à maneira como seu trabalho foi citado. Respondendo a outro correspondente, ele disse:

From: Ronald Sack [email omitido]
To: XXXXXXXXXXX [email omitido]
Sent: Thu, Sep 8, 2011 3:22 pm

The Watchtower article is a lie. The correct date is 587. I have NEVER been interviewed of this subject.

Ron Sack

Tradução: O artigo da Sentinela é uma mentira. A data correta é 587. Eu NUNCA fui entrevistado sobre este assunto.

Daí, atendendo à solicitação do correspondente, ele autorizou a postagem da resposta acima na internet:

Please post my response. People should know how much falsehood is associated with the Watchtower article. Thanks. 

Ron Sack

Tradução: Por favor, poste minha resposta. As pessoas devem saber quanta falsidade está associada com o artigo da Sentinela. Obrigado.

Tendo em vista a análise contextualizada das frases citadas nas revistas, e também as manifestações de eruditos que estão vivos no momento em que escrevemos esta análise, a conclusão é que esses dois artigos da revista A Sentinela sobre cronologia não fizeram outra coisa senão deturpar completamente os conceitos de todos os eruditos que foram citados.  

Esta flagrante manipulação de evidências dificilmente poderia servir para comprovar a teoria cronológica defendida nos dois artigos. Pelo contrário, é uma afronta aos padrões morais de qualquer leitor (seja ele Testemunha de Jeová ou não). É também uma ofensa à inteligência do público (erudito ou não), além de revelar ainda uma completa falta de respeito pelo trabalho de todos esses historiadores vivos e falecidos. 

Simulações das Posições Lunares da Tabuinha VAT 4956

Notas Importantes

1– Conforme já dissemos, em sua consideração sobre a VAT 4956 a revista A Sentinela limitou-se a afirmar que ‘nem todos os grupos de posições são compatíveis com 568 AEC e todos são compatíveis com 588 AEC’. Mas o artigo da revista não apresentou a pesquisa para que os leitores pudessem confirmar esta informação por si mesmos. Assim, não é possível os leitores saberem sequer quais foram as datas usadas nessa pesquisa anônima, promovida pela Torre de Vigia. As datas apresentadas aqui como ‘datas da Torre de Vigia’ foram na verdade as usadas por um apologista, que escreveu livros para defender a cronologia errada da organização. Para os leitores interessados numa informação mais detalhada sobre isso, recomendamos o artigo “O Diário Astronômico VAT 4956”, disponível no Mentes Bereanas.


2– O software utilizado aqui pelo colaborador do Mentes Bereanas que efetuou as simulações (K. Solomon) é o mesmo que foi usado pelos pesquisadores anônimos da Torre de Vigia: CARTES DU CIEL (Versão 3.4)


3– Estas simulações foram feitas com base nas coordenadas da atual cidade de Bagdá. (Latitude: 33° 20’ 02” Norte – Longitude: 44° 23’ 52” Leste) Embora a capital do Iraque não esteja situada exatamente no local da antiga Babilônia, a distância é desprezível para propósitos astronômicos (apenas uns 25 quilômetros). O leitor pode, naturalmente, testar estas posições nas coordenadas exatas da antiga Babilônia, que são as seguintes: Latitude: 32° 33′ Norte – Longitude: 44° 25′ Leste.

Observação1: Linha 1 do anverso“Ano 37 de Nabucodonosor, rei de babilônia. Mês I [nisanu] (o 1º dia…) a Lua se tornou visível atrás [a lestedo Touro do Céu

Data Histórica: 22/23 de abril de 568 AEC

Calendário Babilônico: 1º de nisanu

Após o pôr do sol a Lua se tornou visível atrás (a leste) de Alfa Touro (aproximadamente 5 graus). A simulação está bem próxima à posição fornecida pela VAT 4956.

Data da Torre de Vigia: 3/4 de abril de 588 AEC

Após o pôr-do-sol a Lua se tornou visível na frente (a oeste) de Alfa Touro (aproximadamente 14 graus longe da estrela). A posição não se ajusta à que é fornecida na VAT 4956.

Observação 2: Linha 3 do anverso“Noite do dia 9 (erro para: 8), começo da noite, a Lua ficou 1 cúbito [=2 graus] em frente [= a oestede β virgem

Data Histórica: 29/30 de abril de 568 AEC

Calendário Babilônico: 8 de nisanu

A Lua ficou visível na frente (a oeste) de Beta Virgem (aproximadamente 3 graus). A simulação está bem próxima da posição fornecida pela VAT 4956.

Data da Torre de Vigia: 11 de maio de 588 AEC (9 de nisanu)

No início da noite a Lua ficou visível atrás (a leste) de Beta Virgem(aproximadamente 13 graus) e não na frenteA Sentinela de 01/11/2011, pág. 27 diz: “Na linha 3 dessa tabuinha, lemos que a Lua estava em determinada posição na “noite de 9 [de nisanu]… a posição lunar na linha 3 se encaixa perfeitamente com 9 de nisanu de 588 AEC”. A data correta deveria ser 10 de maio, mas a simulação da Torre de Vigia foi feita na data de 11 de maio. Porém, mesmo em 11 de maio a posição da Lua está longe da fornecida pela VAT 4956.

Observação 3:  Linha 8 do anverso“Dia 1º do mês II… a Lua se tornou visível enquanto o Sol ainda estava lá, 4 cúbitos [=8 grausabaixo [= a lestede β gêmeos

Data Histórica: 22/23 de maio de 568 AEC

Calendário Babilônico: 1º de ayaru

A Lua ficou visível aproximadamente 7,4 graus abaixo de Beta Gêmeos o que é muito próximo ao indicado (a VAT 4956 indica 8 graus). Além disso, a Lua se tornou visível enquanto o Sol “ainda estava lá”, isto é, visível logo acima do horizonte. O intervalo entre o pôr-do-sol e o por da Lua foi de quase 2 horas, tempo suficiente para os dois astros serem observados. A simulação do software está muito próxima à posição fornecida pela VAT 4956.

Data da Torre de Vigia: 1 de junho de 588 AEC

Em primeiro lugar, a data da Torre de Vigia para 1º de ayaru é uma data inaceitável, visto que em um período de 700 anos (626 AEC a 75 EC) o mês de ayaru nunca começou tão tarde como em junho, nem sequer uma vez! Mesmo simulando nesse dia, a Lua ficou visível aproximadamente 10 graus abaixo de Beta Gêmeos, o que é além do indicado (a VAT 4956 indica 8 graus). A única coisa que encaixa da data indicada pela Torre em relação à VAT 4956 é a posição da Lua em Gêmeos, o restante não se encaixa.

Observação 4: Linha 12 do anverso“Mês III… a Lua se tornou visível atrás de câncer, do pôr-do-sol ao por da Lua: 20 graus [=80 minutos]”

Data Histórica: 20/21 de junho de 568 AEC

Calendário Babilônico: 1º de simanu

A lua ficou visível atrás [a leste] de Câncer. O intervalo entre o pôr-do-sol e o por da Lua foi de 92 minutos, portanto muito próximo aos 80 minutos da tabuinha. A simulação do software está muito próxima à posição fornecida pela VAT 4956. 

Data da Torre de Vigia: 30 de junho de 588 AEC

Apesar de nessa data a Lua ter ficado visível atrás [a leste] de câncer, o intervalo entre o pôr-do-sol e o por da Lua foi de apenas 23 minutos, portanto muito distante dos 80 minutos da tabuinha. Um intervalo tão pequeno indica que a Lua não pôde ser visível, por estar muito próxima do sol. A simulação do software não bate com o que diz a tabuinha VAT 4956.

Observação 5: Linha 14 do anverso“Noite do dia 5, começo da noite, a Lua passou em direção ao leste 1 cúbito [2 graus] <acima/abaixo> da estrela brilhante no fim da pata do Leão [β virgem]”

Data Histórica: 24/25 de junho de 568 AEC

Calendário Babilônico: 5 de simanu

Na data indicada pelo VAT 4956, no começo da noite, a Lua não passou próxima a β Virgem e sim a 2 graus de γ Virgem. Se apontarmos o software para o dia anterior (23 de junho) a Lua passa a 4 graus de β Virgem. A simulação do software difere da posição fornecida pela VAT 4956. Talvez o escriba babilônico tenha cometido um erro ao registrar o nome da estrela ou trocado o dia da observação.

Data da Torre de Vigia: 4 de julho de 588 AEC

Nessa data a lua se encontrava a 5 graus a leste (atrás) de β Virgem e não a 2 graus como diz a tabuinha. A simulação do software não se ajusta ao que diz a tabuinha.

Observação 6: Linha 15 do anverso“Noite do dia 8, primeira parte da noite, a Lua ficou 2,5 cúbitos [2 grausabaixo de β Libra

Data Histórica: 27/28 de junho de 568 AEC

Calendário Babilônico: 8 de simanu

Nesta data no começo da noite a lua passou próxima a β Libra. Ela estava aproximadamente 4,0 graus ao sul (abaixo). A simulação do software está muito próxima da posição fornecida pela VAT 4956.

Data da Torre de Vigia: 7 de julho de 588 AEC

Nessa data a lua se encontrava a 12 graus a oeste (à frente) de β Libra, muito longe da posição indicada pela tabuinha. Note que a Lua se encontra mais perto da constelação de Virgem do que da constelação de Libra. A simulação do software não se ajusta ao que diz a tabuinha.

Observação 7: Linha 16 do anverso“Noite do dia 10, primeira parte da noite, a Lua estava 3,5 cúbitos [7 grausdiretamente acima de α Escorpião

Data Histórica: 29/30 de junho de 568 AEC

Calendário Babilônico: 10 de simanu

Na primeira parte da noite a lua ficou próxima a α Escorpião. Ela estava cerca de 8 graus acima (ao norte). A simulação do software está muito próxima da posição fornecida pela VAT 4956, que é de pouco mais de 7 graus.  

Data da Torre de Vigia: 10 de julho de 588 AEC

Nessa data a Lua se encontrava a 11 graus a nordeste de α Escorpião, já muito além da posição indicada pela tabuinha. Nem mesmo no dia 9 a Lua estava próxima. Na noite anterior ela estava a 10 graus a noroeste de α Escorpião. A simulação do software não se ajusta de forma alguma. 

Observação 8: Linha 17 do anverso“Dia 15, um deus foi visto com o outro; do nascer do Sol ao pôr da Lua: 7 graus e 30’ [30 min.]. Um eclipse Lunar que foi omitido

Data Histórica: 4/5 de julho de 568 AEC

Calendário Babilônico: 15 de simanu

Nesta figura, vemos que o Sol estava visível junto com a Lua, visto que ela ainda estava acima do horizonte durante o nascer do Sol. A lua se pôs 33 minutos depois do nascer do sol.

Nas duas figuras anteriores (eclipse e o mesmo eclipse “em close” acima) vemos o eclipse “omitido”, isto é, um eclipse que não pôde ser observado, mas que ocorreu, conforme comprovado pela simulação do software para a data.  A simulação do software está muito próxima da posição indicada pela VAT 4956.

Data da Torre de Vigia: 15 de julho de 588 AEC

A Lua já não podia ser vista no horizonte no oeste ao nascer do sol no leste.

Vemos nas três figuras acima exatamente o contrário do que diz a tabuinha, isto é, que “um deus não pôde ser visto com o outro no intervalo do nascer do sol ao por da lua” pelo simples fato de que ao nascer do sol nessa data a lua já tinha se posto. Ela já estava abaixo da linha do horizonte 5 minutos antes do nascer do Sol. Quanto ao eclipse “omitido” ocorreu realmente um eclipse nesta data. A revista A Sentinela de 01/11/ 2011 diz na página 25: “Realmente ocorreu um eclipse lunar nesse mês em 568 AEC — 4 de julho no calendário Juliano. No entanto, também houve um eclipse 20 anos antes, em 15 de julho de 588 AEC.” A nota 17, na pág. 28, acrescenta “Assim, a data desse eclipse em 588 AEC se encaixa bem na data mencionada na tabuinha.” Essas afirmações são verdadeiras, conforme a simulação do software, somente com relação ao eclipse lunar. Todo o resto não se ajusta.

Observação 9: Linha 5 do reverso“Mês 11,… a Lua se tornou visível em Andorinha; do pôr-do-sol ao pôr da Lua: 14 graus e 30’ [58 minutos];… A essa hora, Júpiter estava 1 cúbito atrás do cotovelo de Sagitário…  ”

Data Histórica: 12/13 de fevereiro de 567 AEC

Calendário Babilônico: 1º de shabatu

Após o pôr-do-sol da data indicada, a lua foi vista em Andorinha (o nome babilônico para a constelação que incluía Peixes). Neste exato momento, Júpiter estava na constelação de Sagitário.  A simulação do software retrata exatamente como estava o céu na noite indicada pela VAT 4956. 

Data da Torre de Vigia: 22 de fevereiro de 587 AEC

Ao pôr-do-sol, a lua já não podia ser vista, pois estava muito próxima do sol. Nessa data, Júpiter não estava em Sagitário como diz especificamente a tabuinha, mas encontrava-se entre Áries e Peixes. A simulação do software não se ajusta.

Observação 10: Linha 12 do reverso“Mês 12, dia primeiro do mês… a Lua se tornou visível atrás de Áries enquanto o Sol ficou lá; do pôr-do-sol ao pôr da Lua: 25 graus [100 minutos], calculado.”

Data Histórica: 14/15 de março de 567 AEC

Calendário Babilônico: 1º de adaru

Na noite do dia indicado pelos historiadores, a lua demorou 104 minutos para se pôr (26 graus). A Lua estava longe do Sol o suficiente para ser vista enquanto “o sol ainda estava lá”. Ela encontrava-se a 16 graus de Alfa Áries 19A estrela mais brilhante da constelação de Áries (parcialmente atrás e abaixo). A simulação do software retrata quase exatamente como estava o céu na noite indicada pela VAT 4956 com valores de diferença de tempo desprezíveis.

Data da Torre de Vigia: 24 de março de 587 AEC

Na noite do dia indicado pela Torre de Vigia, a lua demorou 86 minutos para se pôr (21,5 graus). A Lua estava longe do Sol o suficiente para ser vista enquanto “o sol ainda estava lá”. Ela encontrava-se a 20 graus de Alfa Áries (parcialmente abaixo e parcialmente atrás). A simulação do software retrata quase exatamente como estava o céu na noite indicada pela VAT 4956, porém com valores de diferença de tempo significativos.

Observação 11: Linha 13 do reverso“Na noite do dia 2, a Lua estava 4 cúbitos  [8 graus] diretamente abaixo de η Touro

Data Histórica: 15/16 de março de 567 AEC

Calendário Babilônico: 2 de adaru

Na noite do dia indicado pelos historiadores a lua estava exatamente abaixo (ao sul) de η touro e a quase 8 graus. A simulação do software retrata exatamente como estava o céu na noite indicada pela VAT 4956. 

Data da Torre de Vigia: 25 de março de 587 AEC

Na noite do dia indicado pela Torre de Vigia a Lua não estava exatamente abaixo, mas a sudeste e a 10,5 graus distante de η Touro.  A simulação do software não se encaixa com a data da Torre de Vigia, mas pode ser aceitável. 

Observação 12: Linha 14 do reverso“Na noite do dia 7, a Lua foi circundada por um halo; Presépio e Alfa Leão [ficaram] ne[le…]

Data Histórica: 20/21 de março de 567 AEC

Calendário Babilônico: 7 de adaru

Na noite do dia indicado pelos historiadores a Lua ficou entre Alfa Leão e Presépio. 20Presépio é um aglomerado de estrelas próximo do centro da Constelação de Câncer. A simulação confere com a VAT 4956. 

Data da Torre de Vigia: 30 de março de 587 AEC

Na noite do dia 30 de março de 587 AEC, Câncer estava à frente da Lua e Alfa Leão estava atrás da lua. Mas esta posição lunar é praticamente a mesma que se verificou no dia 21 de março de 587 AEC. Ela se ajusta à informação na VAT 4956.

Observação 13: Linha 16 do reverso“Dia 12, um deus foi visto com o outro; do nascer do Sol ao pôr da Lua 1,30 graus [6 minutos]”

Data Histórica: 25/26 de março de 567 AEC

Calendário Babilônico: 12 de adaru

Como já sabemos à base da observação 8 “um deus ser visto junto com o outro” quer dizer que naquela data o Sol e a Lua podiam ser vistos acima do horizonte. No caso, por cerca de 6 minutos segundo a tabuinha. O software simula um tempo de 3 minutos de visualização de ambos conforme indicado na figura. A simulação confere com a VAT 4956 com valor muito aproximado. 

Data da Torre de Vigia: 4/5 de abril de 587 AEC

Na figura vemos que não foi possível a visualização de ambos os astros na data especificada pela Torre de Vigia pelos simples fato de que ao nascer do Sol a Lua já ter se posto tantos quantos 41 minutos antes. A simulação não confere de modo algum com a VAT 4956.

Quadro-resumo da análise das 13 observações:

ObservaçãoPara 607 AECPara 587 AEC
01Não se AjustaAjusta-se
02Não se AjustaAceitável
03Não se AjustaAjusta-se
04Não se AjustaAjusta-se
05Não se AjustaNão se ajusta, mas é aceitável se recuado um dia.
06Não se AjustaAjusta-se
07Não se AjustaAjusta-se
08Não se AjustaAjusta-se
09Não se AjustaAjusta-se
10Ajusta-se parcialmenteAceitável
11Ajusta-se parcialmenteAjusta-se
12Ajusta-seAjusta-se
13Não se AjustaAjusta-se

 

Voltemos agora às perguntas e afirmações feitas na revista A Sentinela de 1° de novembro de 2011:

PERGUNTASRESPOSTAS
Mas será que essas referências astronômicas apontam irrefutavelmente apenas para o ano de 568/567 AEC?” (pág. 25)O fato de quase todas as evidências apontarem para este ano, torna-o mais qualificado do que qualquer outro.
Mas será que a VAT 4956 fornece mais evidências para o ano 607 AEC?” (pág. 27)Fornece, mas elas estão longe de qualificar este ano e desqualificar 587 AEC. O número de evidências favoráveis a 587 AEC é esmagadoramente superior.
Eles [os “pesquisadores”] analisaram os dados com a ajuda de um programa de computador capaz de mostrar a localização de corpos celestes em determinada data no passado. O que essa análise revelou?” (pág. 27)Que a VAT 4956 situa o ano 568 AEC como o 37° ano de Nabucodonosor – exatamente como os eruditos dizem desde que começaram a estudar essa tabuinha.
AFIRMAÇÕESVERDADEIRA OU FALSA?
“A VAT 4956 aponta com mais certeza para 607 AEC” (pág. 25, no gráfico ao pé da página, em destaque)FALSA. A soma das evidências na tabuinha aponta com muito mais certeza para o ano 587 AEC. É por isso que nenhum erudito que estudou essa tabuinha endossa a data 607 AEC.
“Ao passo que nem todos esses grupos de posições lunares são compatíveiscom o ano 568/567 AECos 13 grupos são compatíveis com posições calculadas para 20 anos antes, ou seja, para o ano 588/587 AEC.” (pág. 27 – os sublinhados são nossos.)FALSA. Embora “nem todos” os grupos se ajustem a 568/567 AEC, a maioria se ajusta. Por outro lado, a maioria das posições não é compatível com 588/587 AEC.
“Um dos lugares onde as observações lunares combinam ainda mais com 588 AEC do que com 568 AEC é mostrado na tabuinha reproduzida nestas páginas. Na linha 3 dessa tabuinha, lemos que a Lua estava em determinada posição na “noite de 9 [de nisanu]… a posição lunar na linha 3 se encaixa perfeitamente com 9 de nisanu de 588 AEC.”. (pág. 27 – o itálico é deles)FALSA. Nem “combinam ainda mais”, nem “se encaixa perfeitamente”. E mesmo que isso fosse verdade no caso desta observação, ainda não provaria que a tabuinha está se referindo ao eclipse de 588 AEC, pois é preciso levar em conta as informações dadas em todo o resto da tabuinha. Uma ou duas evidências isoladas não são suficientes para anular um grupo muito maior de evidências. A lógica diz o contrário disso.
“Fica claro então que muitos dos dados astronômicos na VAT 4956combinam com o ano de 588 AEC como o 37º ano de Nabucodonosor II. Assim, esses dados apóiam o ano de 607 AEC como a data da destruição de Jerusalém — exatamente como a Bíblia indica.” (pág. 27 – os sublinhados são nossos)FALSA. Não são “muitos” sob critério algum. A maioria dos dados combina com 568 AEC. A quantidade de dados que se ajusta a 588 AEC é desprezível em comparação. E a Bíblia não indica em texto algum o ano 607 AEC como a data da destruição de Jerusalém.

A Importância do Ano 607 AEC Para a Organização Torre de Vigia

“Em relação à questão da cronologia, o grande problema é que só uma fração ínfima das Testemunhas de Jeová tem condições de checar se as coisas são realmente como a Torre de Vigia alega. Na realidade, a grande maioria não se apercebe de quanto a data 1914 significa. Não tem dimensão de quanto isso pode mudar suas vidas. Para exemplificar: a data 1914 afeta, para uma Testemunha de Jeová que está num leito hospitalar, a decisão de ela aceitar uma transfusão de sangue ou não. Literalmente, é uma questão de vida ou morte!”

A declaração acima foi feita por um dos responsáveis pelo site Mentes Bereanas numa comunicação particular. 

Mas, não é um exagero afirmar que ensinos sobre cronologia são “literalmente uma questão de vida ou morte”? Por que este responsável pelo site disse estas palavras? Para entendermos isso, é essencial — antes de qualquer outra coisa — observar como esses ensinos sobre datas são apresentados. 

Um dos historiadores que foram citados de maneira deturpada na revista A Sentinela de 1º de novembro de 2011 fez alguns comentários adicionais, que são apresentados aqui em complemento à análise do trecho do livro dele, que foi feita na Parte 3. Explicando o porquê de não estar disposto a escrever algo para questionar esses artigos sobre cronologia nos quais foi citado, ele disse:

“Em primeiro lugar, isso é muito trabalhoso, muito embora a evidência [favorável à data 587 AEC e contrária a 607 AEC] seja sobrepujante… Em segundo lugar, não se pode convencer estas pessoas. [Elas] não têm contra-argumentos, mas esse tipo de pseudo-historiadores jamais admitirá isso.”

Se, de acordo com as palavras deste historiador, a evidência a favor de 587 AEC é “sobrepujante” e ninguém tem contra-argumentos capazes de derrubá-la, então como se explica que a liderança da Torre de Vigia possa convencer tanta gente de que essa é a data errada da destruição de Jerusalém e 607 AEC é que é a data correta? Como eles conseguem fazer isso? Este mesmo erudito definiu isso com precisão, numa simples frase:

“607 é a cronologia de Deus. Como se pode lutar contra isso?” 21Estas declarações são de R. J. Van Der Spek, numa comunicação particular de 25 de outubro de 2011.  (O grifo é nosso)

Infelizmente, em se tratando de diversos ensinos da Torre de Vigia, o método sempre foi esse. Por exemplo, muitos de nossos leitores conhecem a famosa declaração que apareceu na revista A Torre de Vigia de Sião de 15 de julho de 1894. Referindo-se a algumas datas que a organização defendia na época, a revista dizia na página 1677 (das reimpressões):

Tradução:

“Não vemos qualquer razão para mudar os números — nem poderíamos mudá-los se quiséssemos. Eles são, como cremos, datas de Deus, não nossas. Mas tenham em mente que o fim de 1914 não é a data do início, e sim do fim do período de tribulação.” (o grifo é nosso)

Alguns poderiam argumentar que esta ideia é muito antiga e os líderes da Torre de Vigia não fariam mais esse tipo de afirmação arrojada em suas publicações hoje em dia. Mas a evidência indica o contrário. No caso destes mesmos artigos da revista A Sentinela de outubro e novembro de 2011, consideremos as declarações taxativas que foram feitas em relação à data de 607 AEC (os destaques com letra maiúscula são nossos):

A Sentinela de 1º de outubro de 2011:

Pág. 28“… as evidências das Escrituras inspiradas apontam CLARAMENTE para 607 AEC…”
Pág. 31“… a Bíblia diz CLARAMENTE que houve um exílio de 70 anos.”
“A cronologia bíblica indica FORTEMENTE que a destruição [de Jerusalém] ocorreu em 607 AEC.”

A Sentinela de 1º de novembro de 2011:

Pág. 22“… a Bíblia diz CLARAMENTE que o exílio durou 70 anos, tudo indica que ele começou em 607 AEC.”
Pág. 27“… esses dados apóiam o ano de 607 AEC como a data da destruição de Jerusalém — EXATAMENTE como a Bíblia indica.”
“Os escritores bíblicos Jeremias e Daniel dizem CLARAMENTE que os judeus ficaram no exílio 70 anos, não 50.”
“Essas declarações [bíblicas] indicam FORTEMENTE que Jerusalém foi destruída em 607 AEC.”

Será que todos os qualificativos grifados acima não significam nada? Afirmar que a data 607 AEC é “exatamente”, “fortemente” ou “claramente” ensinada na Bíblia não equivale a dizer que ela é uma “data de Deus”? Poderia algo ser ensinado “claramente” na Bíblia sem ter sido sancionado pelo próprio Deus?

De modo que não foi o caso de o erudito citado ter ‘lido mais do que está escrito’, ao chamar o ano 607 AEC de “cronologia de Deus”. A leitura que ele fez dos artigos de A Sentinela o levou a esta conclusão porque é exatamente assim que o assunto é apresentado na revista. É dessa maneira que todas as Testemunhas de Jeová no mundo devem entender esses artigos. Mesmo que existam milhares de evidências históricas a favor de 587 AEC, e mesmo que a própria Bíblia esteja de acordo com ela, as pessoas devem rejeitá-la assim mesmo, já que “Deus” disse que ela está errada e a data 607 AEC é que é a correta. Quantos associados da Torre de Vigia ousariam questionar uma “data de Deus”, “claramente apontada” nas Escrituras?

A questão que precisa ser respondida agora é: Se a própria Bíblia não dá base alguma para a ideia de Jerusalém ter sido destruída em 607 AEC, se não é possível encontrar evidência disso na documentação histórica, e se nenhum erudito imparcial endossa esta data (como foi admitido nos próprios artigos), então por que ela é defendida na revista A Sentinela? Se a liderança da Torre de Vigia há muito tempo está a par da enorme quantidade de evidências contra esse ensino, por que simplesmente não aceita essas evidências e continua dedicando espaço em suas publicações para impor a data 607 AEC com tanta força e insistência, chegando ao ponto de invocar o apoio de Deus para ela?

607 AEC – A Base duma Autoridade Religiosa

A resposta direta à pergunta acima é: Não é só uma questão de defender uma data cronológica. Há muito mais coisas em jogo.

Via de regra, as instituições religiosas possuem uma estrutura de autoridade hierárquica. Uma vez que não se pode encontrar apoio bíblico para a ideia de hierarquia humana entre os cristãos, como é que os líderes das organizações procedem para legitimar sua autoridade sobre os grupos que estão sob o seu comando? A única maneira de fazer isso é recorrendo a idéias extra-bíblicas – apresentadas à comunidade como se fossem bíblicas. O que varia é apenas o discurso. Enquanto algumas lideranças religiosas se apresentam como “sucessoras” diretas da “autoridade apostólica” do primeiro século, outras afirmam ser as verdadeiras “restauradoras” do cristianismo primitivo. 

Com esse mesmo objetivo de legitimar sua autoridade, a Torre de Vigia apresenta uma curiosa mistura dessas duas idéias. Entre os seus ensinos principais encontra-se a ideia dum “escravo fiel e discreto”. Eles ensinam que esta expressão bíblica aplica-se – e sempre se aplicou – apenas a um pequeno grupo específico de cristãos, que existia no primeiro século da Era Cristã, existiu ao longo dos séculos e existe hoje. Este grupo seria o encarregado de liderar espiritualmente todos os demais cristãos na terra em todos os séculos. Embora eles não saibam dizer quem constituía esse grupo durante a maior parte da história do cristianismo, o fato é que hoje a expressão é aplicada aos líderes da Torre de Vigia – e unicamente a eles. 

Mas, que base eles têm para dizer que essa autoridade se aplica unicamente a eles e não a alguma outra liderança cristã? Fazem isso por afirmar que Jesus Cristo assumiu o poder como rei celestial no ano de 1914 e pouco depois ele próprio os nomeou como seu “canal” ou representante exclusivo na terra.

E de onde vem essa data de 1914? Ela é o resultado dum cálculo cronológico, uma soma simples de um período de 2.520 anos, contados a partir do ano 607 AEC – que é apresentado como o ano final da soberania judaica (considerada como a expressão do reino de Deus na terra naquela época). 

O esquema apresentado a seguir permite uma visualização gráfica de tudo o que a organização ensina em conexão com essas datas, a saber, os “blocos” do “edifício”, sendo a “pedra fundamental” o ano defendido pela Torre de Vigia para a destruição da antiga Jerusalém – 607 AEC

No futuroTodos na terra serão mortos por Cristo e pelos anjos na batalha do Armagedom, exceto os que naquele momento estiverem sob a autoridade da Torre de Vigia.
De 1919 ao presenteOs líderes centrais da Torre de Vigia permanecem como encarregados de todos os interesses de Jesus, tendo autoridade suprema sobre todos os cristãos no mundo. 
1919 ECNo ano seguinte, Jesus declara os associados à Torre de Vigia como os únicos fiéis, e nomeia os homens que estão no comando dela como seus representantes exclusivos na terra.
1918 ECTrês anos e meio depois de 1914, Cristo inspeciona todas as organizações religiosas da terra. Todas elas são consideradas infiéis, e rejeitadas por ele.
1914 EC2.520 anos depois de 607 AEC, Jesus Cristo assume o poder como rei celestial, de maneira invisível aos olhos humanos. O Reino de Deus volta a ter representação, porém, no céu.
607 AECA antiga Jerusalém é destruída por Nabucodonosor II. O Reino de Deus fica, a partir desse ano, sem representação visível na terra.

Se alguém examinar atentamente todo esse conjunto de ensinos, não será difícil entender que quando a liderança desta organização defende a ideia de a antiga Jerusalém ter sido destruída em 607 AEC, não é só uma simples data histórica que está sendo defendida. Se fosse só isso, essa data já poderia ter sido descartada há muito tempo e esses líderes religiosos poderiam reconhecer a data histórica (587 AEC) facilmente. 

Não, embora esses artigos da Sentinela nunca admitam, o que a organização Torre de Vigia está realmente defendendo, nestas publicações e em muitas outras, é a sua própria estrutura de autoridade, que foi construída ao longo de mais de um século. Abandonar esta data agora seria destruir a pedra fundamental do “edifício” doutrinal que sustenta a autoridade desta liderança religiosa sobre milhões de cristãos na terra. Todo o “edifício” desmoronaria! Os líderes da Torre de Vigia sabem que se aceitarem a evidência histórica, serão obrigados a abandonar essa data e procurar imediatamente outra base para sua autoridade. É isso, então, que os leva a gastarem muitas páginas em suas publicações no esforço para defendê-la, mesmo indo contra todas as evidências.

Todo aquele que aceita este conjunto de ensinos, inclusive esta “data fundamental” de 607 AEC, coloca-se automaticamente sob a autoridade desta liderança religiosa específica. Não há dúvida de que isso pode ter um tremendo impacto sobre a vida dessa pessoa. No caso dos seguidores da Torre de Vigia, isso afeta profundamente a maneira como a pessoa conduzirá sua vida cristã, como ela encarará as outras pessoas, como usará o seu tempo de vida e recursos, e até mesmo decisões pessoais, tais como com quem se casará, ou se aceitará ou recusará algum tratamento de saúde (conforme mencionado pelo responsável no início desta parte).

Por outro lado, quem rejeita esta data e todos os cálculos e ensinos associados a ela (ou qualquer outro ensino extra-bíblico que seja usado por qualquer outra liderança religiosa como base para sua autoridade) não verá motivo algum para se deixar influenciar por ditames estabelecidos por outros homens.

De modo que a questão aqui não é saber em que ano a antiga Jerusalém foi destruída. Qualquer pessoa que estudar o assunto de maneira imparcial terá isso bem definido, do ponto de vista bíblico e histórico. Conforme já dissemos na Introdução a este folheto, para a fé cristã não faz diferença alguma saber qual é a data correta. As verdadeiras questões (que são do interesse não só dos associados à Torre de Vigia, como também de qualquer cristão associado a qualquer outra liderança religiosa) são as seguintes:

É a organização Torre de Vigia (ou qualquer outra instituição religiosa do mundo) a única representante legítima de Deus na terra, tendo autoridade espiritual sobre todos os cristãos, sendo a associação com esta liderança uma condição essencial para ser salvo, ou mesmo para se ter algum relacionamento com Deus?

Devem os cristãos estar sujeitos a uma estrutura organizacional, submetendo-se sem questionar às regras estabelecidas pelos líderes dessa estrutura? Ou são eles almas livres perante Deus, reportando-se unicamente à liderança de Cristo, sem quaisquer outros intermediários? 22Como um exemplo gráfico da existência de “intermediários” dentro do modelo de autoridade estabelecido pela Torre de Vigia, citamos aqui o Nosso Ministério do Reino de maio de 1986, págs. 7, 8: “Discípulo é aquele que aceita e promove os ensinos de outro. Portanto, os batizandos precisam não só ter adquirido um conhecimento básico da verdade da Bíblia, mas já devem estar demonstrando pelo seu proceder na vida que compreendem as normas justas de Jeová e se harmonizam com elas. Além disso, quais discípulos de Jesus Cristo, reconhecem a organização visível de Jeová e a autoridade de Jesus Cristo exercida por meio do “escravo fiel e discreto.

Se uma discussão que é só aparentemente técnica pode ter tanto impacto assim na vida de tanta gente, é claro que todos têm direito de conhecer ambos os lados dela. Esperamos que toda a informação suprida neste folheto tenha dado pelo menos uma pequena contribuição para isso. Que todos os que o lerem tenham mais condições de tomarem decisões em relação a este assunto com mais conhecimento de causa. Esse conhecimento é realmente libertador!

Resumo e considerações finais

O lançamento dos artigos sobre cronologia nos números da revista A Sentinela de 1° de outubro e 1° de novembro de 2011 resultou em mais um fracasso no empenho de provar a validade bíblica e histórica da data de 607 AEC. Isso porque os problemas na argumentação contida nessas matérias são os mesmos que os de todas as discussões anteriores sobre este assunto nas publicações da Torre de Vigia:

Na Parte 1 constatou-se que as informações simples e diretas da Bíblia sobre este assunto ainda não estão sendo aceitas. O que os textos dizem sobre os 70 anos de Jeremias, no tocante ao significado deste período histórico e o momento em que ele começou e terminou continua sendo deturpado ou desconsiderado.
Na Parte 2 foi mostrado que ainda se faz todo o esforço para tentar minar a credibilidade da documentação histórica e astronômica que estabelece a cronologia do inteiro período neobabilônico. Toda e qualquer informação presente nesse enorme volume de documentação que contradiga a data 607 AEC é ignorada. Em vez disso, apela-se para possibilidades e conjecturas, que são apresentadas às pessoas como se fossem fatos.
Na Parte 3 foram considerados exemplos, um atrás do outro, de citações fraudulentas de historiadores eruditos. O exame cuidadoso dos escritos deles mostrou que, na maioria dos casos, os eruditos disseram o contrário daquilo que os artigos da revista A Sentinela atribuíram a eles.
Parte 4 complementou a análise (feita no final da Parte 2) de tudo o que a revista A Sentinela de 1° de novembro de 2011 disse sobre a tabuinha VAT 4956. Os leitores tiveram condições de confirmar visualmente, por si mesmos, quão desastrosa foi a tentativa feita na revista de usar este importante documento astronômico para apoiar a data 607 AEC.
Finalmente, a Parte 5 tratou da verdadeira razão da escrita desses artigos, que em momento algum foi admitida: Atribuir à data de 607 AEC uma força divina não tem o objetivo de defender uma cronologia histórica. O que está por trás de todo esse esforço é a ideia de legitimar uma estrutura hierárquica de autoridade espiritual

Assim como ocorreu no caso da defesa anterior da cronologia de 607 AEC (a que tinha sido publicada no livro Venha o Teu Reino, de 1981, págs. 186-190), é bem provável que estes dois artigos da revista A Sentinela de 2011 sejam usados por muito tempo pelos apologistas dessa cronologia como a principal ou até única “referência erudita” em apoio dela. Por isso, fizemos aqui um esforço de considerar pelo menos os principais problemas na argumentação destes artigos. Outras informações pertinentes a este assunto podem ser encontradas em todas as demais matérias já publicadas em nosso site. O conteúdo deste folheto fica igualmente à disposição de nossos leitores para consulta, sempre que necessário.

Não se afirma aqui que todos os que defendem essa “cronologia de Deus” no momento sejam necessariamente pessoas mal-intencionadas, que desejam enganar outros deliberadamente. Pelo contrário, cremos que em numerosos casos o problema básico é falta de conhecimento das evidências. É um fato inegável que todos nós, que temos alguma participação em divulgar estas informações hoje, fomos um dia, em maior ou menor grau, defensores destas mesmas idéias que são apresentadas nestes numeros da revista A Sentinela. Muitos eram, inclusive, estudiosos sérios de todas as doutrinas religiosas derivadas da cronologia de 607 AEC, defendiam tudo isso com muita fé e convicção e orientavam sua vida de acordo com essas idéias. Não seria justo dizermos agora que estas pessoas agiam de maneira hipócrita, ensinando isso a outros com intenção de enganá-los. Elas faziam isso por realmente acreditarem que os ensinos eram corretos. E isso era uma decisão pessoal de cada uma delas, com base na informação que tinham à disposição.

O mesmo é verdade agora. Por mais que tenha havido um esforço de apresentar toda a discussão presente neste folheto de maneira imparcial, temos de reconhecer que as decisões que cada leitor tomará em sua própria vida com base nas conclusões apresentadas aqui, são (e devem ser) igualmente decisões pessoais. No máximo, o que podemos fazer é simplesmente apresentar ambos os lados da discussão. A questão de saber o que é que cada pessoa fará com base nessa informação (no caso de aceitá-la) é algo entre essa pessoa e Deus. Quanto a nós, sentimo-nos satisfeitos e gratos pela oportunidade de publicar isso, sempre com a ideia de beneficiar o nosso público leitor. Como sempre, estamos abertos a críticas construtivas e sugestões desse público. E caso haja realmente necessidade de algum esclarecimento adicional destas questões, poderemos publicar algo mais no futuro, em meios de comunicação pública tais como a internet.

Os Editores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *