Um Estudo Sobre os Conceitos Hebraicos de Alma e Punição Eterna

Em inglês

1. A Bíblia diz que uma pessoa tem uma alma ou é uma alma?

Gênesis 2:7 (ARC): E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida; e o homem tornou-se alma vivente. [(SBB): ... tornou-se um ser vivente.]

Comentário: Em relação ao termo hebraico, o Dicionário Expositivo Completo de Vine das Palavras do Velho e do Novo Testamento (em inglês) diz: "[Alma] é infelizmente uma má tradução do termo... O problema com a palavra alma na língua moderna é que não existe qualquer equivalente real desse termo ou da idéia por trás dele representado na língua hebraica. O padrão de pensamento hebraico não inclui a combinação ou a oposição dos termos corpo e alma, que são realmente grego e latino na origem.” Em harmonia com isso, Philip J. Hyatt escreve em seu livro, A Herança da Fé Bíblica, pág. 104 (em inglês), "A palavra hebraica aqui traduzida como alma... não significa alma no sentido em que geralmente se entende o termo hoje, ou seja, a parte espiritual ou invisível do homem. [O termo hebraico] significa o ser total, a pessoa, o homem como um todo. [Ele] não é o que alguém tem como uma parte de si mesmo, mas o que ele é como totalidade. O homem é, portanto, um corpo animado, não uma alma encarnada. Esta última idéia é característica dos gregos, que acreditavam que o homem é composto de uma alma imortal e pura alojada num corpo mortal e corrupto.”

2. Acredita-se geralmente que a alma é imortal. A palavra grega para imortal significa simplesmente que não morre. Será que a Bíblia diz que a alma não morre?

Ezequiel 18:4, 20 (ARC): “Eis que todas as almas são minhas;... a alma que pecar, essa morrerá.” / “A alma que pecar, essa morrerá.”

Salmo 78:50 (ARC): “Preparou caminho à sua ira; não poupou as suas almas da morte, mas entregou à pestilência as suas vidas.”

Tiago 5:20 (SBB): “sabei que aquele que converte um pecador do erro do seu caminho, salvará uma alma da morte e cobrirá uma multidão de pecados.”

3. De que se compõe a alma mortal?

Gênesis 2:7; 3:19 (ARC): “E formou o SENHOR Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.” [1] / “No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás."

Salmo 103:14 (NVI): “pois ele sabe do que somos formados; lembra-se de que somos pó.”

4. É alma o mesmo que espírito?

Hebreus 4:12 (NVI): “Pois a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes; ela penetra ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração.”

Comentário: Note-se aqui que a alma e o espírito podem ser divididos ou separados. Os termos da língua original para o espírito também podem ser traduzidos como sopro ou fôlego. A idéia básica é a de uma força ou poder invisível.

5. A Bíblia usa o termo alma, em referência aos animais?

Números 31:28 (ARC): “Então, para o SENHOR tomarás o tributo dos homens de guerra que saíram a esta guerra; de cada quinhentos, uma alma, tanto dos homens como dos bois, dos jumentos e das ovelhas.”

Comentário: A palavra hebraica para “alma” ocorre em outros versículos quando se refere a animais, mas nem todas as versões bíblicas no idioma português a apresentam, e em certos casos usam outras palavras no lugar de “alma”. Por exemplo, o texto de Gênesis 1:20, é traduzido desta maneira pela ARC:

“E disse Deus: Produzam as águas abundantemente répteis de alma vivente; e voem as aves sobre a face da expansão dos céus.”

Outras versões usam termos tais como “seres viventes” (IBB e SBB) e “seres vivos” (NVI e BLH). O fato é que no hebraico original é a palavra nephesh (alma) que aparece, com referência aos animais.

6. Diz a Bíblia que os animais têm espírito ou o fôlego de vida?

Gênesis 7:21, 22 (ARC): “E expirou toda a carne que se movia sobre a terra, tanto de ave como de gado e de feras, e de todo o réptil que se arrasta sobre a terra, e todo o homem. Tudo o que tinha fôlego de espírito de vida em suas narinas, tudo o que havia em terra seca, morreu.”

Eclesiastes 3:19-21 (SBB): “Pois o que sucede aos filhos dos homens, sucede aos brutos; uma e a mesma coisa lhes sucede a eles. Como morre um, assim morre o outro; todos têm o mesmo fôlego [a palavra hebraica usada aqui é traduzida como “espírito” no versículo 21], e o homem não tem vantagem sobre os brutos. Pois tudo é vaidade. Todos vão para um lugar; todos foram feitos do pó, e todos voltarão para o pó. Quem sabe se o espírito [a mesma palavra hebraica traduzida como “fôlego” acima] dos filhos do homem sobe para cima, e se o espírito [ou “fôlego”] dos brutos desce para baixo, para a terra?”

Outras versões usam a palavra “fôlego” no versículo 21. A NVI, por exemplo, traduz desta maneira:

“Quem pode dizer se o fôlego do homem sobe às alturas e se o fôlego do animal desce para a terra?”

Comentário: Este versículo 21 não poderia estar afirmando que os humanos vão para o céu no momento da morte, senão contradiria o versículo 20, o qual diz que "todos [os humanos e os animais] vão para um lugar" na morte; “voltarão ao pó”. (“Todos vão para o mesmo lugar; vieram todos do pó, e ao pó todos retornarão.”, segundo a NVI)

O versículo 21 se refere ao fato de que os seres humanos têm a esperança de viver novamente (ressurreição), enquanto que os animais não, mas essa ressurreição dos humanos ainda depende inteiramente da vontade divina. Deus (e não algum homem) é o único que “pode dizer” com certeza quem volta na ressurreição e quem não volta. O versículo 21 é uma pergunta; ele não está afirmando nada, taxativamente, acerca do destino do espírito do homem e dos animais.

7. Será que o espírito de uma pessoa mantém uma existência consciente após a morte da alma?

Eclesiastes 9:4, 5, 10 (ARC): “Ora, para aquele que está entre os vivos há esperança (porque melhor é o cão vivo do que o leão morto). Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa [ou seja, a riqueza terrena como recompensa para seu trabalho], mas a sua memória fica entregue ao esquecimento. / Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura [no seol, IBB], para onde tu vais, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma.”

Salmo 6:5; 146:2-4 (IBB): “Pois na morte não há lembrança de ti; no Seol [sepulcro, ARC] quem te louvará? / Louvarei ao Senhor durante a minha vida; cantarei louvores ao meu Deus enquanto viver. Não confieis em príncipes, nem em filho de homem, em quem não há auxílio. Sai-lhe o espírito, e ele volta para a terra; naquele mesmo dia perecem os seus pensamentos.” [acabam-se os seus planos, NVI]

Comentário: Com base nestes versículos, podemos ver que as pessoas e os animais são almas que ficam inconscientes no momento da morte.

No entanto, ao contrário dos animais, os humanos têm a possibilidade de ressurreição para a vida eterna. Esta é a única esperança estabelecida pela Bíblia para a existência após a morte. (Veja João 5:28, 29 e 1 Coríntios 15:16-19.) O conceito popular da alma imortal, uma frase que nunca ocorre na Bíblia, é derivado da religião pagã.

Ao examinar o conceito bíblico de alma (removendo, assim, a mancha do paganismo grego [2] ), descobrimos que a alma é inerentemente mortal e não mantém uma existência consciente após a morte. Qual é, então, o destino eterno da alma de um pecador não-arrependido? Examinaremos em seguida o ensinamento bíblico sobre este assunto.

8. O que foi dito a Adão que seria a punição para a desobediência?

Gênesis 2:16, 17 (SBB): “Ordenou Deus Jeová ao homem: De toda a árvore do jardim podes comer livremente; mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás: porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.”

9. Quando Adão tinha realmente desobedecido, a qual punição ele foi sentenciado?

Gênesis 3:17-19 (NVI): “E ao homem declarou: "Visto que você deu ouvidos à sua mulher e comeu do fruto da árvore da qual eu lhe ordenara que não comesse, maldita é a terra por sua causa; com sofrimento você se alimentará dela todos os dias da sua vida. Ela lhe dará espinhos e ervas daninhas, e você terá que alimentar-se das plantas do campo. Com o suor do seu rosto você comerá o seu pão, até que volte à terra, visto que dela foi tirado; porque você é pó e ao pó voltará."

Comentário: O único sofrimento ao qual se fez referência aqui foram as dificuldades que Adão enfrentaria enquanto estivesse vivo. Nada se falou sobre tormento após a morte como punição pela desobediência dele.

10. Conforme visto acima, o castigo pelo pecado é a morte. Será que o Testamento Cristão concorda com isso?

Romanos 6:23 (NVI): “Pois o salário do pecado é a morte,...”

11. Qual é o destino da alma que peca?

Tiago 5:20 (ARC): “Saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador, salvará da morte uma alma, e cobrirá uma multidão de pecados.”

Mateus 10:28 (IBB): “[Jesus disse:] E não temais os que matam o corpo, e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo.”

Comentário: Conforme se mostrou na primeira parte deste estudo, uma alma morta está inconsciente. Portanto, os ímpios teriam de receber uma vida eterna para que fossem atormentados eternamente. Todavia, Romanos 6:23, citado em parte acima, prossegue: “... mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.” Somente aqueles que aceitam a liderança de Jesus Cristo é que recebem o dom gratuito da vida eterna.

12. A Bíblia não fala sobre o inferno?

Salmo 16:10 (ARC): “Pois não deixarás a minha alma no inferno (sheol, em hebraico), nem permitirás que o teu Santo veja corrupção.”

Atos 2:27 (ARC): “Pois não deixarás a minha alma no inferno (hades, em grego), Nem permitirás que o teu Santo veja a corrupção.”

Mateus 5:22 (ARC): “[Jesus disse:] Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo;... e qualquer que lhe disser: Louco, será réu do fogo do inferno (geena, em grego).”

2 Pedro 2:4 (ARC): “Porque, se Deus não perdoou aos anjos que pecaram, mas, havendo-os lançado no inferno (tartaroo, em grego), os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o juízo.”

Comentário: As Escrituras Hebraicas foram escritas em hebraico e o Testamento Cristão em grego. As versões bíblicas traduzem uma palavra hebraica, sheol, de três maneiras diferentes: “inferno”, “sepultura” e “cova”. Inversamente, conforme mostrado acima, as versões em geral traduzem três palavras gregas diferentes por uma única palavra, “inferno”! A palavra tartaroo é um verbo que significa lançar no tártaro e ocorre apenas uma vez, e em referência aos anjos que pecaram. (2 Pedro 2:4) Hades era a palavra grega correspondente à palavra hebraica sheol, sobre a qual a Enciclopédia Britânica (1971, Vol. 11, pág. 276 em inglês) observou: “A condição dos mortos não era nem de dor nem de prazer. Nem a recompensa para os justos, nem o castigo para os ímpios foi associado com Sheol. Os bons e os maus, assim como os tiranos e os santos, os reis e os órfãos, os israelitas e os gentios – todos dormiam juntos sem tomar conhecimento uns dos outros.” [3] A palavra geena é a forma grega da palavra hebraica que designava um lugar chamado Vale de Hinom. Nos tempos antigos a adoração idólatra e sacrifícios de crianças eram realizados neste vale. (2 Crônicas 28:1, 3; 33:1, 6) Nos dias de Jesus ele era usado como um depósito de lixo, e os fogos eram mantidos acesos para destruir o lixo. Os judeus consideravam muito importante um enterro decente. Às vezes, os corpos de criminosos considerados indignos de sepultamento decente – sendo assim, na opinião dos judeus, indignos de uma ressurreição – eram jogados lá.

Tendo em vista essas informações, deve geena ser considerado como um símbolo de tormento eterno ou de destruição eterna? Não seria irônico que o lugar onde se queimavam crianças em sacrifício – algo considerado abominável e inconcebível por Iavé – seja visto por muitos como o símbolo de tormento eterno proveniente desse mesmo Deus? – Jeremias 7:31,32; 32:35

13. Mas, não é o tormento mencionado na Bíblia em referências que parecem se aplicar a um castigo eterno?

Apocalipse 14:9-11; 20:10 (NVI): “Se alguém adorar a besta e a sua imagem e receber a sua marca na testa ou na mão, também beberá do vinho do furor de Deus que foi derramado sem mistura no cálice da sua ira. Será ainda atormentado com enxofre ardente na presença dos santos anjos e do Cordeiro, e a fumaça do tormento de tais pessoas sobe para todo o sempre. Para todos os que adoram a besta e a sua imagem, e para quem recebe a marca do seu nome, não há descanso, dia e noite”. / “O diabo, que as enganava, foi lançado no lago de fogo que arde com enxofre, onde já haviam sido lançados a besta e o falso profeta. Eles serão atormentados dia e noite, para todo o sempre.”

Lucas 16:23, 28 (NVI): “No Hades, onde estava sendo atormentado, ele olhou para cima e viu Abraão de longe, com Lázaro ao seu lado”. / “[O homem rico disse:] pois tenho cinco irmãos. Deixa que ele os avise, a fim de que eles não venham também para este lugar de tormento.”

Comentário: Note-se que no Apocalipse 20:10 só o Diabo, a besta e o falso profeta são mencionados como sendo atormentados dia e noite para todo o sempre, não a humanidade. Sobre aqueles que, neste contexto, foram enganados por Satanás, ele diz: "desceu fogo do céu, e os devorou." (Apocalipse 20:9, IBB) Sobre outros, - incluindo a morte e o hades [inferno, IBB] – é dito que já estão no lago de fogo também, mas não há qualquer menção de tormento para estes. (Apocalipse 20:14, 15) Como poderiam estes dois – a morte e o hades – ser atormentados? De forma que, se alguém tirar a conclusão que o tormento do Apocalipse 20:10 é literal, deve aplicar isso apenas ao Diabo, à besta e ao falso profeta. Todavia, esse tormento não é necessariamente literal. Segundo o Dicionário Expositivo de Vine, a palavra grega basanizo significa secundariamente, “ser provado por tortura”, denotando, assim “tortura, tormento, angústia.” Primariamente, ela significa “esfregar na pedra de toque, para testar.” Conseqüentemente, os eventos descritos no Apocalipse 20 estabelecem o precedente legal divino; as questões levantadas pela rebelião de Satanás foram testadas, analisadas, provadas como infundadas, e encerradas sem apelo adicional.

O Apocalipse 14:10 fala de pessoas que serão atormentadas, mas note-se que o versículo 11 diz que "a fumaça do tormento de tais pessoas sobe para todo o sempre", não que o tormento delas dura para sempre. Se você observar fumaça à distância, sabe que naquele lugar há, ou houve recentemente um incêndio. Da mesma forma, a fumaça do tormento dos ímpios, que culmina com a sua destruição, alerta os espectadores sobre os resultados do caminho da rebelião. Que dizer de eles não terem “descanso dia e noite”? Se compararmos isto com o que diz Apocalipse 11:7-10, podemos ver que não está se referindo ao tormento da destruição, e sim ao tormento causado pela obra de pregação realizada pelos santos. É por isso que Apocalipse 14:12 incentiva os santos a perseverarem, ante a perseguição que sofrerão às mãos dessas pessoas iníquas, sobre cuja destruição eles pregam.

O tormento é também mencionado por Jesus na parábola do “Rico e Lázaro” (Lucas 16:19-31). Se esta história fosse literal, como muitos afirmam, quão razoável seria que uma ponta de dedo molhada aliviasse o tormento do homem rico?

Devemos ter em mente a quais pessoas Jesus dirigiu essa parábola. Foi aos fariseus, sobre os quais o relato diz que “amavam o dinheiro... e zombavam de Jesus” (Lucas 16:14, NVI; “eram avarentos... e mofavam dele”, SBB). Do mesmo modo, o homem rico mostrou uma atitude egoísta, por não compartilhar seu suntuoso banquete com o mendigo Lázaro. Portanto, este homem rico representava os fariseus. Os fariseus consideravam a limpeza cerimonial muito importante. O contato com um corpo morto ou com um túmulo tornava a pessoa cerimonialmente impura por um período de tempo. A representação do homem rico como um morto, sepultado, e no Hades enfatizou a impureza dos fariseus aos olhos de Deus, não só por um tempo, e sim eternamente.

Lázaro representava as pessoas comuns que dependiam dos fariseus e de outros líderes religiosos (que se assentavam na “cadeira de Moisés” – Mateus 23:1-7) para o alimento espiritual, mas recebiam apenas migalhas. Ao contrário dos fariseus, essas pessoas comuns aceitaram Jesus como um mensageiro de Deus, que é o que a palavra grega para anjo significa. Quando essas pessoas morreram para com o seu procedimento de vida pecaminosa, arrependendo-se, Jesus as levou, figurativamente, a uma posição de favor perante Deus, que é o que o seio de Abraão simboliza. Isso atormentou os fariseus, por descobrirem que eles, com toda a sua (auto)justiça, não eram aceitáveis ​​para Deus, ao passo que as pessoas comuns – que não conheciam a lei – podiam ser. – João 7:48, 49

Os fariseus queriam que os discípulos de Jesus aliviassem seu tormento por diluir sua pregação que expunha a hipocrisia deles. (Atos 5:27-33) A auto-justiça dos fariseus era o abismo que os separava de Deus. E o abismo que separava a classe de Lázaro da classe do Rico era a justiça de Deus. (Romanos 10:3) Assim como aquele abismo intransponível, a auto-justiça do homem não vai levá-lo a Deus, nem pode Iavé ou Seu povo transigir para com Sua justiça.

Os versículos finais desta parábola predizem que até mesmo uma ressurreição dos mortos não convenceria os fariseus, nem aqueles que eram como eles – os cinco irmãos – fazendo-os mudar suas atitudes. Esta previsão se mostrou verdadeira. Veja João 12:1, 9-11 e Mateus 28:2-4, 11-13.

Conforme foi evidenciado neste artigo, o tormento eterno não é um conceito bíblico. O versículo mais famoso do Testamento Cristão, João 3:16, fala daqueles que perecem. O Merriam-Webster Thesaurus alista vários sinônimos para “perecer”, mas nem tormento nem tortura estão entre estes. Todavia, muitas religiões pagãs têm o conceito de tormento eterno.

Por que Satanás inspira essa crença e deseja que as pessoas acreditem nisso? Por um lado, isso contradiz Iavé. Alguns rejeitam a crença num Deus amoroso, já que não podem aceitar o conceito de tormento eterno. Mas será que esta crença não incentivaria as pessoas a adorarem a Deus? Não, realmente. Iavé conhece nossas verdadeiras motivações. Se estivermos servindo a Ele por medo do tormento eterno, será que estamos realmente servindo a Ele ou ao nosso medo? Se estivermos servindo a Ele por medo do tormento – que não deve ser confundido com o temor de Deus, ordenado na Bíblia, o qual significa reverência – então no momento em que o temor do homem superar o medo do tormento, seremos infiéis a Deus. A única maneira de um cristão poder ter a certeza de ser fiel sob toda e qualquer circunstância, não importa quão temível ou tentadora, é ter uma fé baseada no amor a Deus. Primeira João 4:18, 19 diz: "No amor não há medo antes o perfeito amor lança fora o medo; porque o medo envolve castigo; e quem tem medo não está aperfeiçoado no amor. Nós amamos, porque ele nos amou primeiro.”

Que este artigo aumente seu amor e apreço para com o nosso Pai Celeste amoroso e misericordioso, que tem proporcionado a vida eterna por meio de Seu Filho, Jesus Cristo.


NOTAS:


[1] Os conceitos hebraicos de corpo, alma e fôlego de vida (ou, espírito) podem ser ilustrados por meio de uma lâmpada. A lâmpada representa o corpo, a eletricidade que acende a lâmpada representa o fôlego de vida e uma lâmpada acesa representa a alma.

[2] Por exemplo, acerca da palavra grega para alma o Dicionário de Vine inclui conceitos da religião e da filosofia grega pagãs.

[3] Infelizmente, o Dicionário de Vine inclui idéias associadas com o paganismo em sua consideração sobre o hades. No segundo, terceiro e quarto séculos, os chamados "pais da igreja" foram seduzidos pela filosofia grega, que estava contaminada pela religião grega pagã. Estes "pais" tentaram conciliar a filosofia grega com a Bíblia e, assim, incorporaram influências pagãs ao que originalmente eram conceitos estritamente hebraicos.

_____________

Artigo original de Jay Dicken - Traduzido e apresentado no Mentes Bereanas com permissão do autor.

Versões bíblicas citadas nesta tradução:
ARC
Almeida Revista e Corrigida
IBB
Almeida Revisada da Imprensa Bíblica
SBB
Sociedade Bíblica Britânica
NVI
Nova Versão Internacional
BLH 
A Bíblia na Linguagem de Hoje