Resgatando a Fé em Cristo (O Caso de Pedro)

 

... estando Simão Pedro junto à fogueira, tornaram a perguntar-lhe: Não és um dos seus discípulos? Não sou, não, disse Pedro. – João 18:25

 

E isto ele fez três vezes. Mais cedo naquele mesmo dia, porém, Pedro estava disposto até a lutar por Jesus; porque quando foram prender seu mestre ele pegou uma espada e cortou a orelha de Malco, o assistente do sumo sacerdote. No entanto, agora ele negava conhecer Jesus ou ter sido seu discípulo. Pedro mostrou ser tão humano quanto qualquer um de nós; sob a pressão do medo, ele mudou; deixou de ser ele mesmo. As provações e a pressão condicionam profundamente o espírito humano, ‘fazem endoidecer até as pessoas com entendimento’, dizem as Escrituras. (Ecle 7:7).

Há muitos tipos de provações na vida, mas a decepção religiosa é muitas vezes uma particularmente dolorosa para o coração. Muitas coisas desmoronam. Em muitos casos, perdem-se as referências; a oração deixa de existir, a esperança fica sem brilho e o ressentimento pode durar muito tempo. A dor pode ser tanta que a pessoa pode até negar que conhecia Jesus e que alguma vez foi seu seguidor. As referências agora são outras...

Entretanto, muitas vezes falta-nos reflexão para entender claramente que Deus não tem culpa pela decepção religiosa de quem quer que seja. A pedra de tropeço foi outra, completamente diferente, e o espírito dos ensinamentos de Jesus de Nazaré continua a ser uma fonte de luz para todos. Pedro entendeu isso, e por fim “chorou amargamente”, vindo depois a devotar sua vida por completo ao seu Senhor. Assim, a fé pode ser perdida, mas nunca é tarde demais para recuperá-la e a esperança brilhar novamente em seu coração. (Mat. 26:75).

Sempre há, portanto, a possibilidade de ouvir o galo cantar.

[Esteban Lopez. As referências bíblicas são da versão O Livro]