Eclesiastes 12:7

“E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu.” (Almeida Revisada e Corrigida)

___________________

Este texto do Eclesiastes é citado por alguns como prova de que o “espírito imortal” do homem (ou “alma”) abandona o corpo por ocasião da morte e volta para Deus. Os que defendem isso, porém, ignoram as questões levantadas por esta interpretação:

1 – Devemos entender que isso se aplica tanto a pessoas boas como más? Pois o texto não faz qualquer distinção entre espíritos “bons” e “maus”. A única conclusão permitida no texto é que na morte de qualquer tipo de pessoa, ‘o espírito volta para Deus’.

2 - Se o espírito ‘volta para Deus’, ele só pode ter vindo de Deus. E o texto diz isso. Mas, será que alguém diria que no momento em que o espírito ainda estava com Deus (antes de ser dado ao homem), ele existia como uma pessoa consciente? Se não, que razão temos para acreditar que quando ele ‘volta para Deus’ continuará existindo como uma pessoa distinta e consciente?

3 - A palavra "espírito" (hebraico ruach), usada neste texto, é a mesma que é usada em Eclesiastes 3:19 (e é traduzida lá como “fôlego” na maioria das versões bíblicas). Estamos autorizados a dizer que qualquer animal tem também um “espírito imortal”?

4 – Se o escritor do Eclesiastes está dizendo aqui que alguma parte do homem é imortal, qual seria, então, o entendimento das palavras dele em Eclesiastes 9:5, 6, 10 e Eclesiastes 3:19, 20? Não estaria ele se contradizendo?