Existem Duas Classes de Cristãos?

(As questões tratadas aqui são referentes à interpretação da Torre de Vigia, conforme é apresentada nas páginas 116 e 117 do livro Revelação – Seu Grandioso Clímax Está Próximo! e em outras publicações.)

PARTE A: Revelação 7:1-8

1 – É essa descrição literal ou simbólica? Por exemplo, quando o versículo 4 fala das “tribos de Israel”, trata-se do Israel literal?

Segundo a Torre de Vigia NADA neste texto é sobre o Israel carnal, mas refere-se ao “Israel” espiritual, interpretado como a “congregação mundial de cristãos ungidos”.

2 – Nos versículos 5-8 fala-se sobre várias tribos – a tribo de Judá, Rubem, Gade, e assim por diante. Trata-se aqui das doze tribos literais de Israel?

A Torre de Vigia responde que NÃO. Não há tribos literais no “Israel” espiritual.

3 – Se “Israel” é o Israel espiritual, ou seja, a congregação cristã e as tribos são simbólicas, então será que o Israel espiritual se divide em doze grupos literais de 12.000 pessoas cada um?

A Torre de Vigia diz novamente NÃO.

4 – Se a divisão em doze tribos é simbólica, qual é o significado do número 12, neste contexto?

Segundo a Torre de Vigia, “a listagem aqui [ou seja, em Revelação 7:4-8] não se destina a identificar os judeus carnais pelas suas tribos, mas a mostrar a estrutura organizacional similar do Israel espiritual. Essa estrutura é harmoniosa.” O número “12”, portanto, simboliza organização por meio da qual a congregação cristã, assim como o antigo Israel carnal, está estruturada de uma maneira harmoniosa.

5 – Se o “Israel" não é literal, mas simboliza o Israel espiritual, e este Israel espiritual não é dividido em doze tribos ou grupos literais, como se explica que os versículos 5 a 8 falam sobre 12.000 de cada “tribo”? É o número 12.000 literal ou figurativo?

A conseqüência do raciocínio da Torre de Vigia é que o subtotal de cada grupo de 12.000 é simbólico.

6 – Se o “Israel” nesse trecho é simbólico, as doze tribos são simbólicas, e o subtotal de 12.000 de cada tribo é simbólico – como pode a soma final ser literal? Como podem doze subtotais simbólicos formarem um total literal?

COMENTÁRIO: A conclusão é que, embora o total de 144.000 seja simbólico, ele representa um número muito maior. O Israel carnal estava sob o pacto da Lei, enquanto o Israel espiritual, o grupo cristão, está sob a nova aliança. Em Gálatas 4:22-31 os dois pactos (acordos) são comparados com duas mulheres: O antigo pacto é vinculado à concubina de Abraão, Agar. Seus filhos foram o Israel carnal, que no primeiro século consistia em vários milhões de pessoas. A nova aliança é comparada com a esposa de Abraão, Sara, que inicialmente era estéril, mas, em seguida, em cumprimento da promessa de Deus, teve um filho. Esta foi a verdadeira “semente” ou descendência de Abraão. Daí, o apóstolo Paulo faz uma referência a Isaías 54:1, que a nova aliança teria mais “filhos” do que a antiga aliança: “Regozija-te, ó mulher estéril, que não dás à luz; irrompe e grita alto, ó mulher que não tens dores de parto; pois os filhos da desolada são mais numerosos do que [os] daquela que tem marido.” O Israel espiritual seria, portanto, muito mais numeroso do que o Israel carnal. Como o Israel carnal no tempo de Paulo tinha vários milhões, isso significa que o Israel espiritual seria ainda maior! Isto também mostra que este Israel espiritual não pode ser limitado a, literalmente, 144.000 membros. O total é, obviamente, um número muito grande. A comunidade cristã mundial é a verdadeira “descendência de Abraão”. (Veja Gálatas 3:26-29). As Escrituras dizem vez após vez que esses descendentes seriam inúmeros como as estrelas do céu e como os grãos de areia à beira do mar. (Gên. 22:17, 32:12, Heb. 11:12) Isto se cumpre especialmente no Israel espiritual. Curiosamente, lemos sobre a “grande multidão” de Revelação 7:9 que seria inumerável, como seria a descendência de Abraão. Não é possível que essa multidão seja idêntica à descrição simbólica do Israel espiritual nos versículos 2-8? Ao passo que o apóstolo João primeiro ouve uma descrição simbólica do “Israel” nos versículos 2-8, ele foi abençoado com uma visão desse grupo nos versículos 9 e 10!

PARTE B: Revelação 7:9-10

7 – É a "grande multidão" um grupo diferente dos “144.000”?

A Torre de Vigia responde que SIM e explica que esta é a “classe terrestre”, destinada a viver para sempre na terra.

8 – Qual é a porcentagem de Testemunhas de Jeová que é considerada como parte da “grande multidão”?

A maior parte das Testemunhas de Jeová é considerada como fazendo parte dessa grande multidão, uma vez que em meio a vários milhões de seguidores da Torre de Vigia existem apenas uns poucos milhares de “ungidos”. Ou seja, mais de 99,5% das Testemunhas de Jeová são consideradas como pertencendo à grande multidão.

9 – Segundo Revelação 7:4 os 144 000 são “selados”. É a “grande multidão” selada?

A Torre de Vigia responde que NÃO.

10 – Significa isso que mais de 99,5% de todas as Testemunhas de Jeová na terra hoje não estão marcadas com o selo de Deus?

A Torre de Vigia afirma ser este o caso.

11 – Revelação 9:1-4 fala sobre o primeiro “ai” [praga de gafanhotos]. Esta praga cairia sobre os “homens que não têm o selo de Deus nas suas testas.” Uma vez que a “grande multidão” das Testemunhas de Jeová não tem o selo de Deus, então isso significa que, de acordo com o ensino da Torre de Vigia, mais de 99,5% das Testemunhas de Jeová também será atingida por este primeiro “ai” mencionado em Revelação, e isso a tal ponto que, juntamente com as outras pessoas “procurarão a morte, mas de modo algum a acharão, e desejarão morrer, mas a morte estará fugindo deles”, segundo Revelação 9:6. Como é que isso se harmoniza com as interpretações da Torre de Vigia?

COMENTÁRIO: Isso também sugere que a “grande multidão” é idêntica ao Israel espiritual. Enquanto a organização Torre de Vigia admite que o Israel espiritual é proveniente de “todas as nações, e tribos e línguas”, este é o mesmo caso da “grande multidão”. E se admitirmos que o número 144 000 é simbólico, o que é que torna os dois grupos diferentes? O que João ouviu pela primeira vez foi uma descrição simbólica – a marcação do Israel espiritual com o selo protetor de Deus (compare com Ezequiel 9:4-11). Em seguida, o que ele viu foi a “grande multidão” de descendentes de Abraão, a qual, devido a ter o selo de Deus nas testas, é protegida na grande tribulação (versículo 14). Note-se que o capítulo 7 inteiro é uma resposta à pergunta que foi feita no final do capítulo 6, versículo 17: "... porque veio o grande dia do seu furor [o de Deus e do Cordeiro], e quem é que pode ficar de pé?”. O capítulo 7 mostra que é o Israel espiritual, que tem o selo de proteção de Deus. Eles compõem uma grande multidão, incontável, os que “saem da grande tribulação.”